Chico César investe no forró e frevo em novo CD

Finalmente, Chico César, autor de Mama África, À Primeira Vista e Pedra de Responsa, sai do exílio imposto pelo estilo ''cabeça'' dos seus últimos trabalhos e decide voltar a dialogar com o popular. Com ''Francisco, Forró y Frevo'', o cantor e compositor quer tocar nas rádios AM outra vez. "Não adianta brigar com o ''créu'', a gente tem de trocar figurinhas com este tipo de música também. Meus últimos shows tinham virado uma espécie de missa. Agora, acabou. Vou fazer espetáculos mais agitados", disse o cantor.Como já adianta o título auto-explicativo, Chico César centrou o seu repertório em frevo e forró. "Fui passar uns dias na casa de Elba Ramalho, em Trancoso (Bahia). Lá, tive a idéia da música Pelado (uma alfinetada na mercantilização do carnaval: ''o abadá está tão caro / custa mais caro / que a máscara de carnaval / eu vou sair pelado...''). Com ela, pensei em fazer um disco inteiro de frevo", revela.A idéia de mergulhar totalmente no universo do ritmo pernambucano não vingou. César decidiu acrescentar outro mais próximo do seu universo. "Pensei muito em Novos Baianos, Moraes Moreira e Dodô e Osmar para fazer esse trabalho." Para que as canções não soassem regionais e tradicionais demais, o cantor chamou Bid (conhecido produtor de música eletrônica) e Mário Caldato Jr. para participarem do CD. "Ainda assim, as músicas foram quase que tocadas ao vivo, como uma banda mesmo."O resultado é um disco popular sem soar popularesco, um trabalho que pode fazer Chico César recuperar um público que havia perdido nas complicações dos seus últimos Cds. E é no forró que o artista se sai melhor. Destaque para a sacana e irresistível Feriado e a poética Comer na Mão. Outro destaque do disco é o medley Marcha da Calcinha/ Marcha da Cueca, que conta com a participação do cantor pernambucano Claudionor Germano. Além dele, participam do álbum Seu Jorge, em Dentro (a música mais MPB do repertório e estranhamente escolhida para ser trabalhada nas rádios) e Dominguinhos (brilhante), em Deus me Proteja. As informações são do Jornal da Tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.