Chegando ao fim em Roma

Há cinco anos empolguei-me com um romance de estreia, Then We Came to the End, de Joshua Ferris, que na tradução da Nova Fronteira virou E Nós Chegamos ao Fim. Ambientado numa agência de publicidade de Chicago, era um Mad Men atualizado ao revertério econômico da época, com situações e diálogos de alta voltagem cômica. Nos primeiros meses de 2010, outro estreante, Tom Rachman, me encheu os olhos com um romance mais ou menos na mesma linha. A vítima da crise, daquela vez, era o jornalismo impresso afrontado pelas novas tecnologias e autodestruído por gestores insensíveis e incompetentes.

Sérgio Augusto,

28 de janeiro de 2012 | 03h00

Recém-lançado pela Record, Os Imperfeccionistas (tradução de Flavia Anderson, 377 págs., R$42,90) é uma inteligente e divertida elegia da imprensa analógica. E talvez o mais esperto retrato do rat race jornalístico desde que Ben Hecht e Charles MacArthur inventaram a dupla Hildy Johnson-Walter Burns, na comédia The Front Page, já lá se vão 85 anos. Rachman, como Ferris, conhece a fundo o milieu de seu romance, pois antes de se realizar como escritor frequentou, a exemplo de Ben Hecht, um punhado de redações. Trabalhou no International Herald Tribune, em Paris, e para a AP, no Egito e Japão.

Paradigma de um tipo de repórter afoito e ladino, Hildy Johnson até já emprestou seu nome a um importante prêmio para jornalistas furões em Chicago. Quem sabe, um dia, não será instituído um galardão similar com o nome de Herman Cohen. Ele bem que merece a deferência. Dos imperfeccionistas criados por Rachman, é o único à altura de uma homenagem do gênero.

Ao apresentá-lo como "chefe de redação", a tradutora da Record no mínimo desidratou uma piada: no original, Cohen é identificado como "corrections editor", cargo que não existe nominalmente, embora corrigir os cochilos da redação seja o que de fato ele faz no jornal em torno do qual giram todos os 11 capítulos do livro. E com que verve ele atua! Volumoso e glutão, é o terror de repórteres, colunistas e editores, cujos erros de ortografia ("Estrados Unidos", "Satã Hussein"), informação (Tony Blair incluído numa lista de "dignatários japoneses recém-falecidos"), solecismos, clichês e vícios de linguagem não só patrulha obsessivamente como expõe ao ridículo num mural de cortiça.

Todos nós, jornalistas, já convivemos com semelhante figura, rigorosamente presa a regras gramaticais, fiscal e penhor da qualidade dos textos, sem a qual a "credibilidade" do jornal, para usar uma de suas expressões favoritas, vai pro brejo. Como é típico da espécie, Herman faz cerrada campanha contra vocábulos um tanto desmoralizados pelo uso abusivo. "Literalmente", por exemplo. Porque "muitas vezes, ações descritas dessa forma nunca chegaram a acontecer", argumenta, pinçando de uma reportagem esta pérola: "Ele morreu de susto, literalmente". Se tal fato tivesse ocorrido, comenta, "eu sugeriria promover a matéria à primeira página".

Herman é meu personagem favorito, confesso, literalmente cônscio de que posso estar cometendo uma injustiça com alguns de seus colegas de redação, e sobretudo provocando a debochada impaciência do "corrections editor".

Arthur Gopal e Winston Cheung disputam no photochart a segunda colocação. Arthur é um talento desperdiçado (ou desmotivado) pela direção do jornal, que o condenou ao mofo da seção de obituários, da qual escapa depois de entrevistar, em Genebra, uma renomada feminista austríaca com o pé na cova. Winston é um ingênuo sino-americano que se deu mal ao trocar a primatologia pelo ilusório charme do jornalismo, que lhe parecia "uma profissão de macho alfa". Mesmo sem dominar o árabe, disputa a vaga de freelancer no Cairo com um experiente picareta, Rich Snyder, que o põe no bolso, ao cabo de peripécias que ora evocam o Hunter S. Thompson de Fear and Loathing in Las Vegas, ora os desatinos africanos de William Boot em Furo!, de Evelyn Waugh.

Jamais identificado pelo nome, o jornal é um diário de língua inglesa editado em Roma desde 1953, com 12 páginas e tiragem pouco superior a 15 mil exemplares. Só na página 356 ficamos sabendo por que o excêntrico milionário de Atlanta Cyrus Ott, cujo império empresarial brotou de uma refinaria de açúcar falida, entregou-se ao capricho de montar no Corso Vittorio Emanuele II um veículo para circular apenas na Europa, no Megrebe e no Extremo Oriente.

Acompanhamos as seis décadas que o jornal conseguiu aguentar-se de pé indo e voltando no tempo, dos anos 1950 ao segundo governo Bush, cruzando de um personagem a outro, cada um deles introduzido na abertura de um capítulo, sempre encimado por uma manchete ("Aquecimento global é bom para sorvete", a melhor de todas). Constantemente golpeado por cortes de verbas e pessoal que comprometem sua qualidade, mas jamais o livram do patíbulo, ele afinal sucumbe à concorrência de outras mídias, ao seu suicida desdém pela internet e à calamitosa gestão do último herdeiro do clã Ott, Oliver, jovem meio retardado que só a um basset hound chamado Schopenhauer costuma dar atenção.

Rachman nega ter escrito o epitáfio do jornalismo, que prefere ver como uma profissão em transição, não em via de extinção. Mais de um crítico considerou Os Imperfeccionistas uma sátira afetuosa à imprensa que consome papel e tinta e nos últimos tempos passou a ser a última a dar as primeiras. Por isso, o quarto personagem mais interessante do livro é o protagonista do primeiro capítulo, Lloyd Burko, um patético correspondente em Paris que ainda usa fax. Mais que um personagem, uma metáfora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.