Chega ao fim a casa de vidro da Paulista

Gritos, choros e comoção. Foi o que se viu hoje na saída dos quatro atores do Urban Dream Capsule, que viveram 15 dias em uma casa de vidro instalada na Paulista. E a avenida nunca mais será a mesma. Pelo menos para as dezenas de pessoas acostumadas, desde 7 de maio, a acompanhar a rotina dos moradores do número 1.500. Cerca de 200 pessoas se aglomeraram e se acotovelaram para dar o último adeus a David Welles, Nick Papas, Neil Thomas e Andrew Morrish, que conquistaram um grupo de fãs ardorosas. Algumas tão apaixonadas que não mediram esforços para ir à despedida. Matilde, de 31 anos, que não quis dar o sobrenome, inventou que havia torcido o pé para faltar ao trabalho. "Se meu chefe sabe que é mentira, serei demitida na hora", conta ela, no local desde às 10h "para pegar o melhor lugar". Do lado de fora, o delírio das fãs - O relógio marcava 17h quando Nick - que vestia um shorts com a bandeira do Brasil, bordada por ele -, Neil, Andrew e David começaram a se aprontar para deixar a casa. Do lado de fora, dançaram músicas de axé e levaram as fãs ao delírio. "Nãããão", chorava Márcia Cristina dos Reis, de 17 anos. Apaixonada por Nick, o único solteiro do quarteto, ela não se conformava em ter de dizer adeus. "Eles não podem ir embora."Márcia foi consolada por sua amiga Débora Alves Valentim, de 24 anos, também fã dos australianos. "Estou arrasada. Não quero nem pensar em como será passar por aqui e não vê-los mais", dizia ela, que não ficou só nas lágrimas: se aproximou de David, não se intimidou com a aliança do australiano e tascou-lhe um beijo na boca. Ela não foi a única. Outras também se aproveitaram do descuido dos atores. "Dei dois selinhos no David e um no Neil na hora em que eles vieram me abraçar", disse a fã Tania Gaidarji. Para se livrar das garras das fãs, os quatro precisaram da ajuda dos seguranças. Foi também com o auxílio deles que a trupe conseguiu atravessar a avenida para uma coletiva de imprensa no SESI. Mas a mulherada, incansável, não desistiu e os seguiu pela Paulista. Perseverantes, elas se uniram aos jornalistas e participaram da entrevista, surpreendendo Nick, Neil, Andrew e David. "Nunca ouvi tanto ´eu te amo´ quanto aqui no Brasil", disse David. "Foi uma experiência única", arrematou Neil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.