Charlize Theron é a nova Embaixadora da Paz da ONU

Além dos papéis da atriz no cinema, a atriz viu sua mãe matar seu pai com um tiro quando era adolescente

AP,

18 de novembro de 2008 | 15h15

Charlize Theron, como nova Embaixadora da Paz das Nações Unidas, usará sua fama para ajudar a erradicar a violência contra mulheres e crianças ao redor do mundo. Veja também:ONU abre sua 'Capela Sistina do Século 21' em Genebra  Após ser apresentada em seu novo papel pelo secretário-geral Ban Ki-moon, a estrela sul-africana de 33 anos disse aos jornalistas, que assumia sua nova responsabilidade "com muita humildade e o coração muito emocionado". Charlize Theron prometeu ajudar a enviar uma forte mensagem de que a violência contra mulheres e crianças não é aceitável, nas próximas viagens que realizar em apoio à campanha de Ban, lançada na sexta-feira.A nível mundial, a ONU disse que uma em cada cinco mulheres é será vítima de violência ou intenção de violência em algum momento de sua vida, e que pelo menos uma em cada três será golpeada, forçada a ter relações sexuais ou vítima de abusos. "Isso é algo que tem sido muito importante e perturbador par Amim por muito tempo", disse Charlize, que aos 15 anos viu sua mãe matar seu pai alcoólatra com um tiro enquanto ele fazia ameaças à família. Charlize ganhou um Oscar de melhor atriz em 2004 por Monster - Desejo Assassino, por interpretar Aileen Wournos, uma mulher serial killer que foi condenada à morte nos EUA, na vida real. A atriz recebeu uma indicação ao grande prêmio da Academia por seu trabalho no filme de 2005 Terra Fria, que também aborda o tema do assédio sexual.  Já uma ativista, Charlize começou a trabalhar em 1999 com um centro para vítimas de violações na Cidade do Cabo, na África, e logo fundou o Charlize Theron Africa Outreach Project para promover em seu país a educação sobre o combate à aids entre crianças pobres e seus familiares.Como mensageira da paz, Charlize se une a nove celebridades entre elas a princesa Haya Bint Al Hussein da Jordânia e aos atores George Clooney e Michael Douglas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.