Chantagista quer ?5 milhões para devolver escultura de Cellini

Um chantagista mandou uma carta a uma companhia de seguro exigindo ?5 milhões para devolver uma escultura dourada do mestre florentino no século 16, Benvenuto Cellini, que foi roubada, em maio, de um museu de Viena, segundo informações da Austria Press . Mas a Uniga, a companhia procurada, prefere não fazer ?qualquer comentário? no momento. O mesmo diz a polícia.A agência de austríaca, no entanto, noticiou que pó de porcelana, proveniente da escultura, avaliada em ?50 milhões, acompanhava a carta. E a estação de rádio OE3 acrescentou que uma fonte da investigação diz que 90% do pó vem realmente da peça.A Saliera, ou saleiro, de 26 centímetros que Cellini esculpiu brilhantemente e mandou dar um banho de ouro, foi roubada de sua vitrina, no Museu de História da Arte. Os ladrões usaram a janela do primeiro andar para entrar no museu, depois de subir por um andaime levantado em um lado do prédio.O alarme tocou, mas três guardas de segurança de plantão não reagiram, presumindo ser um falso alarma. O roubo foi descoberto por um faxineiro quatro horas depois.O saleiro é banhado a ouro e trabalhado com ébano e esmalte, com uma figura masculina segurando um tridente, que representa o mar, diante de uma figura feminina, que representa a terra. Ao lado da figura masculina, há um recipiente para o sal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.