Ceramista travestido vence o Turner Prize

O ceramista inglês Grayson Perry foi anunciado ontem à noite o ganhador do mais importante e polêmico prêmio britânico de arte contemporânea, em cerimônia na Tate Britain, de Londres. Perry, que apareceu vestido de mulher, como é seu costume em aparições públicas, era o azarão na disputa, que tinha como favoritos Anya Gallaccio, Willie Doherty e, especialmente, os irmãos Jake e Dinos Chapman.Para a premiação, Perry recorreu a seu alter ego Claire. Exibiu-se em sapatos vermelhos e vestido rosa, com laços coloridos e estampas de flores, corações e coelhinhos. Pelo prêmio, vai receber cerca de US$ 34 mil. "Já era tempo de um ceramista travestido vencer o Turner Prize", comemorou. Acompanhado da mulher, Philippa, e da filha, Flo, Perry comentou que o meio artístico pode ter mais dificuldade em aceitar a cerâmica como suporte artístico do que sua opção por vestidos de mulher.O Turner Prize tem por costume valorizar a polêmica, o choque, em detrimento das escolas tradicionais. Perry concorreu por uma série de vasos decorados com variadas cenas de sexo e morte, passando por abuso de menores. Seus oponentes exibiam bonecas gigantes simulando atos sexuais; corpos putrefatos sendo devorados por ratos, cobras e aranhas; e rasuras em desenhos do mestre espanhol Goya.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.