Divulgação
Divulgação

Cenas raras de um poeta da vida nas cidades

Exposição em Nova York recupera os filmes do artista Gordon Matta-Clark

LÚCIA GUIMARÃES / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2013 | 02h08

Quando mencionamos o nome Gordon Matta-Clark, a primeira imagem que pode ser evocada é a do artista com formação de arquiteto que fazia cortes em edifícios dilapidados. O fato é que Matta-Clark, um pioneiro da exploração de múltiplas mídias, deixou uma obra em desenho, fotografia, escultura e, como destaca uma exposição em Manhattan, filmes. Gordon Matta-Clark, Above and Below reexamina a importância dos filmes no período final de uma carreira de apenas 10 anos. Mais do que a natureza efêmera de suas intervenções, a vida encurtada tragicamente por um câncer, aos 35 anos, deve ter contribuído para a memória fragmentada da obra de Matta-Clark.

A nova-iorquina Jessamyn Fiore nasceu em 1980, dois anos depois da morte prematura de Gordon Matta-Clark, mas cresceu na casa que o artista tinha reformado quando era casado com sua mãe, Jane Crawford. Viveu cercada de desenhos e reproduções de cibachromes - os positivos que Matta-Clark usava para documentar suas explorações urbanas, E explica o foco da exposição na galeria David Zwirner: "Os curadores às vezes trataram os filmes como documento extra mas não como um componente vital. Temos aqui filmes que são obras autônomas e merecem reconhecimento individual."

Um exemplo que confirma o argumento e abre a mostra é City Slivers (1976), um filme de 15 minutos. A tela é dividida em compartimentos verticais em que cenas diferentes da paisagem de Manhattan se desenrolam. O processo complexo usado para obter o efeito nunca foi explicado pelo artista. Pouco antes do final do filme, a perspectiva muda, a visão do Empire State Building e do Central Park tomam conta da tela e subitamente a câmera se volta para baixo. Uma tira de texto laranja diz: "Ele simplesmente bateu no pavimento, de cara". City Slivers foi filmado logo depois que Sebastian, o irmão gêmeo de Matta-Clark, caiu (ou se jogou) da janela do apartamento do artista.

Dois filmes que ainda não haviam sido destacados em retrospectivas anteriores, exibidos lado a lado, reforçam a importância da exploração dos subterrâneos - Substrait (1976) mostra as entranhas abaixo da estação de trens Grand Central e Sous-Sols de Paris (1977) se embrenha pelas catacumbas de Paris. O fascinante Conical Intersect (1975) mostra os cortes que Matta-Clark fez em dois prédios à espera de demolição para dar lugar ao Centro Pompidou.

Jessamy Fiore diz que a essência da intervenção urbana de Matta-Clark é otimista: "Ele estava constantemente avaliando o espaço que nos era concedido, em oposição à simples construção do novo".

Os desenhos de uma obra nunca realizada sugerem a carreira expansiva e visionária que a doença abreviou. Sky Hook (1978) é um estudo para casas-balões. Matta-Clark imaginou estruturas em que moradores poderiam flutuar acima das construções ancoradas no chão. Como um poeta da vida urbana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.