Cenário western e clima de vingança

O enredo do gibi Estrada paraPerdição (104 páginas, R$ 16,50) assemelha-se ao do westernclássico, com a exploração da saga de vingança, do olho por olho dente por dente. É diferente na inserção de uma iniciação, a dojovem pelo pai, no caminho árido da revanche e dasobrevivência. É totalmente editado em branco-e-preto, em três volumes.O´Sullivan, o Anjo da Morte, é um imigrante irlandês escaladopara resolver "casos excepcionais" por um capo gângster,Looney. O matador, apesar de temido, tem uma família idílica,como a de Elliot Nesse no filme Os Intocáveis, de BrianDePalma. Mas um incidente destrói sua "isenção" criminosa: osdois filhos pequenos se escondem no banco de trás do seu carro etestemunham como o pai ganha a vida. A partir daí, O´Sullivantambém se torna perigoso para a "família" Looney, assim comoseus entes queridos. O Anjo da Morte, então, vira bicho paradefender o que pensava intocável. O filho de O´Sullivan sente-se culpado por ter causado atragédia de sua família e, ao mesmo tempo, é levado aprotagonizar um road movie interminável ao lado do pai, rumo auma cidade chamada Perdição. Nos seus calcanhares, um matadorimplacável, Harlen The Reporter Maguire (no filme,interpretado por um elogiado Jude Law). "Problemas entre pais e filhos (Michael Sr. & MichaelJr., John Rooney & seu filho Connor), entre o mundo no lar e omundo do "trabalho", entre bem e mal, entre homens que fingemser homens de bem e homens que realmente são de bem, entre acidade chamada Perdição e a perdição como Inferno", escreveu umresenhista americano. Para recriar essa atmosfera que nos comics ficou a cargode um gênio, o ilustrador Richard Pyers Rayner (que levou quatroanos para concluir a saga), o diretor Sam Mendes foi atrás de umveterano da cinematografia, Conrad L. Hall (nove indicações parao Oscar, duas premiações). Com truques de imagem, ele buscarefazer o cenário dos grandes filmes de gângsteres, dos filmesdos anos 40 e também a interseção possível com os quadrinhos devilões e heróis. Muito jazz de big bands, navalhas afiadas, roupas bemcortadas em alfaiates, becos miseráveis e mulheres ambíguascompletam a visão do mundo pós-depressão. Estrada para Perdição,o filme, estreou no dia 12 do mês passado nos cinemas americanos e vem impressionando crítica e público. Max Allan Collins não é um novato no cinema. É tambémdiretor e roteirista de carreira. Foi argumentista da tira DickTracy entre 1977 e 1990 e contribuiu com muitos comics,incluindo Batman. Fez sua estréia na direção com o filmeindependente Mommy (1995).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.