"Cem Anos de Solidão" é lido 14 horas sem parar

Funcionários, escritores, artistas e mexicanos em geral, leram nesta segunda, em voz alta e de maneira ininterrupta o romance Cem Anos de Solidão, do escritor colombiano Gabriel García Márquez, como parte de várias atividades para promover a presença da Colômbia no México. No Palácio de Belas Artes e sem a participação do escritor, que se encontra em seu país natal, dezenas de pessoas começaram desde às 9 horas da manhã, a subir em um estrado para ler uma a uma as páginas do romance do prêmio Nobel de Literatura 1982. A leitura, prevista para durar cerca de 14 horas contínuas, envolveu mais de 400 pessoas, com cada um dos participantes lendo pouco mais de uma página da obra.A porta-voz da embaixada da Colômbia, Claudia Gómez, garantiu à AP que García Márquez aprovou que a representação diplomática organizasse o evento. "Ele ficou muito feliz com a idéia", disse Gómez. A leitura de Cem Anos de Solidão ocorre pouco mais de duas semanas depois que o mais novo romance do autor colombiano foi colocado à vendas nas livrarias, Memória de Mis Putas Tristes.O embaixador colombiano no país, Luis Guillermo Giraldo, disse à imprensa que esta foi a melhor maneira que os diplomacia encontrou para dizer que a Colômbia está presente no México, rendendo uma homenagem à obra de García Márquez. "Como quase todos no México sabem, García Márquez vive há 32 anos na capital mexicana e está muito ligado ao país, pois não se pode viver num país tanto tempo sem amá-lo muito", disse Giraldo. "Isto me levará a ler todo o livro", comentou Ximena Sordo, de 12 anos, uma estudante que leu três parágrafos do livro.

Agencia Estado,

08 de novembro de 2004 | 19h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.