Celulite de Juliana Paes causa polêmica

Celulites nas pernas e no bumbum de Juliana Paes, exibidas hoje em fotos veiculadas pela Internet, quase deixaram sem garota-propaganda a cerveja Antarctica. Em represália à exposição não autorizada das fotos ? tiradas para a edição darevista Playboy, mas ainda sem o tratamento normalmente utilizado antes da publicação, corrigindo eventuais imperfeições ? aatriz ameaçou não renovar o contrato, que termina em junho.O empresário de Juliana, Ike Cruz, disse, hoje à noite, que a iniciativa partiu dele e não da musa da novela Celebridade. ?Elanão estava ligando muito para isso. Achou uma bobagem. Foi eu que fiz mais barulho mesmo, porque considero isso uma quebrade contrato?, comentou. E lembrou que a própria atriz já havia assumido ter celulite, ?como uma mulher normal?, em várias entrevistas que deu.Segundo Cruz, a direção da agência de publicidade Almap, responsável pela campanha da Antactica, o procurou hojemesmo, para desfazer o mal-entendido. ?Acho que ainda temos grandes chances de renovar o contrato por mais seis meses?,disse o empresário.O próprio Cruz havia dito, durante todo o dia, que as duas fotos inseridas na Internet poderiam ter sido vazadas por alguém daagência. Segundo ele, os responsáveis pela Almap garantiram ter rastreado todos os computadores de seus funcionários e nãoencontraram saída do material. ?Eles disserem que, se ficar comprovado que foi alguém de lá, o responsável será sumariamentedemitido?, afirmou o empresário. Ele alegou que, da mesma forma que Zeca Pagodinho teve sua ética profissional questionada aoabandonar a campanha publicitária da Nova Schin pela Brahma, as agências também devem ter seus deveres cobrados.Na próxima segunda-feira, uma teleconferência entre Juliana, seu empresário e representantes da Almap e da Ambev discutiráos termos do novo acordo publicitário, que deve ser fechado até quarta-feira. Os termos que estão sendo negociados não sãorevelados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.