Celso Lafer será candidato à Academia Brasileira de Letras

Foi lançada, na quinta-feira, a candidatura de Celso Lafer, professor titular da Faculdade de Direito da USP e ex-ministro das Relações Exteriores, no governo Fernando Henrique Cardoso, à cadeira de número 14 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Ela era do jurista Miguel Reale, que morreu no último dia 14. O anúncio foi feito, durante a reunião plenária da ABL, pelo presidente da casa, Marcos Vilaça. Ele declarou vaga, oficialmente, a cadeira de Reale. Em seguida, anunciou que já havia dois candidatos a ela: Lafer, que concorrerá pela primeira vez, e o ex-embaixador Dario Castro Alves, que já pleiteou lugar entre os imortais em duas ocasiões. A eleição deverá ocorrer no fim do mês de junho - eventuais candidatos têm 90 dias para se inscrever. Comenta-se na ABL que Lafer, que escreve aos domingos no Estado, tem boas chances. A cadeira, que tem como patrono o advogado Franklin Távora e como fundador o jurista Clóvis Belivacqua, é tradicionalmente ocupada por nomes eminentes do Direito brasileiro. A possibilidade de o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Eros Grau ou de o jurista Célio Borja, ex-ministro do STF, sucederem Reale chegou a ser aventada, mas nenhum dos dois se lançou como concorrente. Em março passado, Borja perdeu a eleição para a cadeira 28, que era de Oscar Dias Corrêa, para o crítico Domício Proença Filho. Grau, caso se candidatasse, disputaria pela primeira vez.

Agencia Estado,

21 de abril de 2006 | 16h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.