Célebre museu de Taiwan prepara reabertura

O maior museu de arte chinesa do mundo, um complexo palaciano em Taiwan, será reaberto em fevereiro com mais espaço de exibição de obras de arte imperial, além de instalações que visam atrair um aumento de visitantes vindos da China, rival de longa data de Taiwan. Depois de uma reforma que se prolongou por quase dois anos, o Museu Palácio Nacional, em Taipé, vai reabrir em 8 de fevereiro todos os seus 24 mil metros quadrados de espaço de exposições, agora com mais áreas de alimentação, um saguão novo e uma escola, disse à Reuters o diretor Lin Mun-lee. O museu é conhecido por seu acervo de 645.500 tesouros de arte imperial levados a Taiwan no final da guerra civil chinesa, em 1949, para mantê-los longe dos comunistas. Uma representante do museu disse que quase todas as salas foram reformadas, levando em conta que mais pessoas vêm ver arte antiga quando ela é exposta em ambientes modernos. A fachada do museu, que lembra os palácios imperiais da Cidade Proibida, em Pequim, não foi modificada. O museu agora terá quatro cafés e uma casa de chá. Dentro de seis meses serão abertos uma exposição e um workshop de artes para o público infantil. O aumento no espaço para exposições, para um total de 9.600 metros quadrados, permitirá que o museu exponha mais artefatos de uma vez. No momento, ele só tem condições de expor 3 mil objetos. Novas exposições já estão sendo programadas. Em fevereiro o museu vai receber uma coleção do British Museum, e em outubro vai expor cem peças da época barroca cedidas por um museu austríaco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.