Celebração

Caiu muita coisa do céu no espetáculo de inauguração da Olimpíada de Londres: as argolas olímpicas incandescentes, várias Mary Poppins - e a rainha, de paraquedas. Está certo, não era a rainha e sim um fac-símile razoável, mas Elizabeth se prestou a participar da encenação e só cedeu seu papel a um dublê na hora do salto, apesar da insistência do príncipe Charles para que ela mesmo se atirasse. De qualquer jeito, foi admirável ver a rainha incluída numa seleção de ícones britânicos - Shakespeare, Beatles, 007 - feita sem distinção entre o pop e o solene. Tudo que era solidamente inglês se integrava no espetáculo, fosse a rainha ou o Mr. Bean.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2012 | 03h12

Imagino que a primeira decisão de quem organiza uma festa como a da inauguração da Olimpíada, ou de evento similar como uma Copa do Mundo, deva ser entre celebrar o país que faz a festa ou o chamado espírito olímpico, de congraçamento entre os povos acima de fronteiras e identidades nacionais, etc, etc. Os ingleses decidiram ser ingleses ao ponto de ostentação. Nada de espírito olímpico, o festejado, e bem festejado, foi o espírito nacional. Mas não foi uma celebração acrítica. Mostraram a revolução industrial que começou na Inglaterra e mudou o mundo, e ao mesmo tempo - com aquelas espantosas chaminés brotando do chão para espalhar a fuligem por campos outrora verdes e pastorais -, as consequências das sombrias usinas satânicas, as "dark satanic mills" do poema de William Blake, na vida das pessoas.

E não deixou de haver política na apresentação. Não havia muita razão para aquele longo segmento dedicado ao serviço nacional de saúde, o plano de assistência médica universal posto em prática pelos trabalhistas que nenhum governo conservador ousou tocar, a não ser como um recado para o atual governo conservador. Como medida de austeridade para enfrentar a crise, o governo Cameron está cortando benefícios sociais com um entusiasmo inédito desde os tempos da sra. Thatcher e sua machadinha impiedosa. O show das enfermeiras dançantes e das crianças bem tratadas foi para lembrar que o National Health Service é uma instituição inglesa tão digna de ser celebrada quanto as outras - e quem se atrever a mudá-la terá que se entender com a Mary Poppins.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.