Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

Celebração do jornalismo

Em 'A Crônica Francesa', de Wes Anderson, sucursal de um jornal americano em uma cidade fictícia da França, lembra a revista 'The New Yorker'

Mariane Morisawa, Especial para o Estadão

19 de novembro de 2021 | 05h00

Com o mesmo estilo de sempre, cheio de simetrias, figurinos e cenários lindos, Wes Anderson faz uma homenagem ao jornalismo em A Crônica Francesa. O filme, que conta com vários de seus atores preferidos, como Bill Murray, Tilda Swinton e Owen Wilson, além de novidades como Timothée Chalamet, se passa na sucursal de um jornal americano em uma cidade fictícia da França, uma revista que lembra muito The New Yorker

Em A Crônica Francesa, exibido em competição no último Festival de Cannes, Murray é o editor Arthur Howitzer Jr. O longa é dividido em várias histórias: Roebuch (Jeffrey Wright) investiga a gastronomia, Lucinda Krementz (Frances McDormand) retrata um estudante rebelde (Chalamet), e J.K.L. Berensen (Swinton) escreve sobre um pintor na prisão (Benicio Del Toro). Anderson não esconde a saudade de certos valores do passado, como o espírito democrático e um olhar curioso para o mundo.  

Glamour só na superfície

É comum ter certa nostalgia por um passado que não vivemos. No caso de Eloise (Thomasin McKenzie), a personagem principal de Noite Passada em Soho, de Edgar Wright, é a Londres dos anos 1960. Quando ela mesma chega à cidade para estudar moda, não gosta do que vê, nos dias de hoje. E mergulha na sua Londres de sonho, até misteriosamente ser transportada para lá, encontrando a aspirante a cantora Sandie (Anya Taylor-Joy), que acaba de ser contratada por um empresário, Jack (Matt Smith). 

O filme é cheio de estilo, com jogos de espelhos e uma cena de dança particularmente deslumbrante, um uso esperto da música e uma participação gloriosa de Diana Rigg, musa daquela época, dando uma piscadela para sua participação como Olenna Tyrell em Game of Thrones. Noite Passada em Soho se perde na narrativa feminista, mas mostra os perigos nos caminhos das garotas com ambição e que, para minorias e mulheres, em épocas passadas, o glamour está apenas na aparência. 

Na tela grande e na Netflix

Duas das estreias desta semana são filmes que entram agora ou em breve na Netflix, mas que valem ser conferidos nos cinemas. O primeiro é Ataque dos Cães, de Jane Campion, provável candidato a diversos Oscar e que ganha poucas sessões na cidade. Benedict Cumberbatch é pura masculinidade tóxica no papel de um fazendeiro americano dos anos 1920, que envenena a vida de todos ao seu redor, especialmente a nova mulher de seu irmão e o filho dela. No elenco estão Kirsten Dunst, Kodi Smit-McPhee e Jesse Plemons. O filme chega no dia 1º à Netflix.

Co-produção entre Brasil e México, A Noite do Fogo, de Tatiana Huezo, é o candidato do México a uma vaga na categoria filme internacional. Na obra, três garotas são treinadas por suas mães para se proteger de sequestradores que atuam na região. Na Netflix, o filme está disponível com o nome Reze pelas Mulheres Roubadas

Ghostbusters: Mais Além

Jason Reitman, filho de Ivan Reitman, o diretor dos dois primeiros Caça-Fantasmas (de 1984 e 1989), assume o comando desta nova versão da história. Mãe solteira, Callie (Carrie Coon) e seus dois filhos adolescentes, Trevor (Finn Wolfhard) e Phoebe (Mckenna Grace) chegam a uma cidade pequena e logo descobrem sua conexão com os Caça-Fantasmas. Bill Murray, Dan Aykroyd, Ernie Hudson e Sigourney Weaver estão de volta, e Paul Rudd aparece como Gary Grooberson, professor de Phoebe.

Clifford: O Gigante Cão Vermelho

O desenho animado sobre o cachorro vermelho gigante ganha sua versão live action nesta produção dirigida por Walt Becker sobre um filhote incomum que cresce demais graças ao amor desmedido de sua dona. 

8 Presidentes, 1 Juramento – A História de um Tempo Presente 

A diretora Carla Camurati usa imagens de arquivo para percorrer os 35 anos da redemocratização do Brasil, indo do movimento das Diretas Já à posse de Jair Bolsonaro

SARS-Cov-2, O Tempo da Pandemia

Os irmãos Lauro e Eduardo Escorel fazem um documentário no calor da hora, entrevistando médicos e especialistas em saúde pública que integram a iniciativa Todos pela Saúde, de combate ao coronavírus, sob a liderança de Paulo Chapchap. 

Aleluia, o Canto Infinito do Tincoã

A cineasta Tenille Bezerra acompanha o cantor Mateus Aleluia em suas andanças entre Cachoeira, na Bahia, onde nasceu, e Luanda, em Angola, onde viveu por muitos anos, fazendo uma ponte entre os dois países. 

Galeria Futuro

Na comédia de Fernando Sanches e Afonso Poyart, os amigos de infância Valentim (Marcelo Serrado), Kodak (Otávio Müller) e Eddie (Ailton Graça) trabalham como lojistas na galeria do título, no centro do Rio, que recebe uma proposta milionária de uma igreja evangélica. 

Enquanto Houver Amor

Em uma visita ao filho Jamie (Josh O’Connor, o príncipe Charles de The Crown), Edward (Bill Nighy) surpreende a mulher Grace (Annette Bening), com quem está há 29 anos, com a notícia de que vai deixá-la. Mas Grace encontra uma nova vida em uma pequena cidade costeira. 

Harry Potter e a Pedra Filosofal

O bruxinho não dá sinais de perder seu encanto. Vinte anos depois da estreia do primeiro longa-metragem baseado na série de livros, o filme volta aos cinemas, apresentando Harry (Daniel Radcliffe), Hermione (Emma Watson) e Ron (Rupert Grint), além de Dumbledore (Richard Harris), Hagrid (Robbie Coltrane), a Professora McGonagall (Maggie Smith) e o Professor Snape (Alan Rickman).

Chernobyl: O Filme – Os Segredos do Desastre

Esta produção russa dirigida e protagonizada por Danila Kozlovsky conta a história de Alexey Karpushin, um bombeiro que trabalhou no desastre na usina nuclear de Chernobyl. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.