CCXP
CCXP

CCXP Worlds espera atingir milhões de pessoas na web

Principal evento de cultura pop e geek de São Paulo ganha o ambiente virtual com metas ambiciosas

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

04 de dezembro de 2020 | 08h00

Foi comum em 2020: eventos tiveram que se reinventar e se adaptar a novas realidades, evitando aglomerações e reuniões de pessoas. Não foi diferente com a CCXP, o maior evento de cultura pop e geek do Brasil, este ano virtual e nomeado CCXP Worlds, "sediado" em uma plataforma na web que pretende alcançar números impressionantes: 100 milhões de pessoas.

Ao longo dos anos, a ambição da CCXP ficou clara: se tornar um dos principais eventos culturais não só da cidade de São Paulo, mas do mundo do entretenimento em escala global. Embora ainda não tenhamos recebido painéis centrais da programação dos grandes estúdios e produtores de Hollywood, boa parte da programação brasileira para o próximo ano é anunciada ali de maneira inédita, e grandes estrelas já pisaram nos palcos do evento para falar de produções inéditas ou recém-lançadas.

A CCXP Worlds: A Journey of Hope é uma plataforma na web (www.ccxpworlds.com) em que os visitantes virtuais da feira poderão navegar entre os palcos e espaços, como o tradicional Artists’ Alley, onde quadrinistas e escritores de diversas origens compartilham e falam sobre seu trabalho. Este ano, o evento promete grande interação entre artistas e públicos bastante diversos.

Quando o diretor de marketing da CCXP, Roberto Fabri, é questionado sobre os números que o evento pretende alcançar esse ano, ele responde sem modéstia: 100 milhões de pessoas ao longo dos três dias. Só em credenciais feitas especialmente para um evento que não vai acontecer fisicamente, foram 100 mil unidades vendidas. Para 42 países.

“A CCXP vem construindo uma imagem global, com o evento na Alemanha (realizado em 2019), com 30 jornalistas de fora do Brasil convidados para conhecer o evento aqui, entre outras iniciativas. Os estúdios não encaram mais a CCXP como lugar de lançamento local”, acredita. 

Ele conta que o evento virtual foi produzido em cerca de três meses, e levantar isso nesse tempo “foi um negócio”.

De acordo com a CCXP, ao acessar a plataforma do festival, o público verá um mapa virtual 3D e navegável, inspirado no jogo League of Legends, por meio da qual será possível acessar 12 “mundos” diferentes: Thunder Arena, Artists’ Valley, Oi Game Arena, Creators & Cosplay Universe, Omelete Stage by Santander, CCXP Store, Meet & Greet, Hollywood Strip, Chiaroscuro Studios, Iron Studios, Geek Hall e CCXP Tips. “Com espaço ilimitado, um dos auditórios mais disputados da CCXP, o Thunder Arena, vai contagiar os fãs com uma experiência completamente inédita”, promete um comunicado. “Pela primeira vez no mundo, um evento ao vivo vai usar a tecnologia Unreal (a mesma do Fortnite) para criar um cenário virtual em que 100 mil avatares irão reagir ao conteúdo divulgado pelos estúdios com sons captados do espaço físico em edições anteriores.”

Fabri, que liderou a experiência da plataforma da CCXP Worlds, admite que os fãs devem esperar ainda pouca interação, mas também sugeriu que para próximas edições pode haver uma continuidade no investimento digital. 

“Parte do nosso desafio foi replicar a experiência do evento presencial”, diz. “A forma que as pessoas vivem a CCXP, além dos conteúdos, é o dia lá, as fotos, amigos, cosplayers. Como traduzir isso no mundo digital? Como manter o protagonismo das comunidades?” Para tentar responder, conta, eles foram buscar a experiência de um dos “protagonistas” da CCXP, os videogames. “Não poderíamos só fazer live, mas como transformar algo virtual em algo maior? Começamos a encarar esse problema todo.”

Os painéis de estúdios e produtoras já estão marcados. Grandes marcas como Warner, Universal, Paramount, Amazon, Globo e HBO, entre outros, anunciaram conteúdos exclusivos. Nomes de Hollywood, como Henry Golding, Milla Jovovich, J.K. Simmons, Lana Parrilla, Vince Vaughn estão confirmados no evento. Quadrinistas como Neil Gaiman e Art Spiegelman também. A CCXP promete mais de 150 horas de conteúdo “inédito e exclusivo”. A programação completa pode ser acessada aqui.

O acesso às transmissões dos palcos da CCXP Worlds 2020 é gratuito, mas a produção solicita um cadastro no site da CCXP (http://www.ccxp.com.br/ingressos). O conteúdo também estará disponível na página oficial do evento no Facebook, parceiro do festival em 2020. Algumas outras modalidades de ingressos, pagos e com outras opções de interatividade, por exemplo, também estão disponíveis.

Tudo o que sabemos sobre:
Comic Con Experiencecinematelevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.