CCBB de Brasília mostra artistas locais

A partir de uma parceria iniciada emBrasília entre os artistas plásticos Ana Miguel, Chico Amaral,Elder Rocha, Gê Orthof e Ralph Gehre, surgiu Gentil Reversão,projeto que além de se transformar em uma exposição coletiva queestá abrigada até o dia 6 de fevereiro no Centro Cultural Bancodo Brasil (CCBB) da cidade, é também o nome do grupo que iniciou há dez anos, um trabalho de estudos, correspondências e deinfluências recíprocas. Os cinco artistas conhecem-se há dez anos. Alguns játiveram ateliê mútuo ou já fizeram exposições juntos; enfim, têmcontato há bastante tempo. Mas foi somente há um ano e meioque o grupo ficou mais coeso. Nesse tempo, a troca decorrespondência foi mais intensa, feita basicamente por e-mail,já que Chico Amaral estava em Barcelona; Gê Orthof, em Boston;Ana Miguel, na Bélgica; e somente Ralph Gehre e Elder Rochaestavam em Brasília. Em aproximadamente 186 páginas de correspondências, cadavez mais um interferia no trabalho do outro, ora fazendocríticas, sugestões, ora estabelecendo relações. E foi nesseprocesso que surgiu o nome do grupo. "Reversão é no sentido deabandonar ou rever o senso autoral que rege a produção de arte.É buscar um trabalho que se relacione mais diretamente com opúblico e, ao mesmo tempo, é reversão no sentido de assimilar ainfluência de um na produção do outro", diz Ralph Gehre. GêOrthof previu que essa reversão fosse gentil e, assim, o nomeficou pronto. O CCBB aprovou o projeto de montar uma exposição com ostrabalhos feitos especificamente durante o período decorrespondências e que foram feitos para apresentar o grupo.Patrocinou não só a mostra Gentil Reversão, com curadoria deMarília Panitz, como também um livro organizado por ela e quereúne textos sobre o grupo, sobre cada um dos artistas, idéiasde cada um dos integrantes e imagens das obras de cada um, bemcomo a montagem da exposição. Segundo Gehre, Marília Panitz foi convidada para ser "asexta pessoa de Gentil Reversão". "O texto dela não édescritivo e mostra uma outra possibilidade de leitura da obrade arte", diz. Pelo processo do grupo e pela organização do livro, ficaclaro que a palavra é elemento central de Gentil Reversão. Ofolder do livro traz um glossário com verbetes relacionados comobras individuais ou com a ideologia do grupo e o processocriativo que foi se desenvolvendo por meio de e-mails eleituras. "A construção das obras através da palavra, da frase.A curadoria da Marília foi como a construção de frases, ou seja,com a colocação dos trabalhos lado a lado", explica Gehre. O livro sobre a exposição está sendo vendido por R$35 tanto no CCBB de Brasília quanto no de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.