CBS quer Sheen de volta, mas ator pode ir para a FOX

Perdoar e esquecer. Esse parece ser o novo lema do presidente e CEO do estúdio CBS, Les Moonves, em relação à demissão no dia 7 do polêmico Charlie Sheen, astro da série Two and a Half Men. Com isso, fica aberta a possibilidade de o ator, envolvido em escândalos com drogas, prostitutas, além das muitas declarações polêmicas, voltar a estrelar a série.

, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2011 | 00h00

De acordo com o site RadarOnline.com, Moonves conversou com os altos executivos da Warner Bros, a empresa que produz a série e que demitiu Sheen, e também com Chuck Lorre, cocriador e produtor executivo do programa, que vem sendo atacado e ameaçado pelo astro com palavras como "verme, estúpido e idiota". Segundo o site, durante a negociação o CEO garantiu a Lorre que ele teria menos responsabilidade para lidar diretamente com Charlie.

Esse parece ser o principal problema neste momento - conseguir com que Sheen e Lorre encerrem o clima de guerra e voltem a se entender. Marty Singer, o advogado do ator, o mais bem pago da TV americana com salário de US$ 2 milhões por episódio, também atacou o produtor executivo, afirmando que "a série foi cancelada para atender aos desejos egoístas de Lorre".

Já o site Hollywoodlife.com adianta que as chances da volta do protagonista são de 80%. Ao que tudo indica, o incrível sucesso da turnê de Sheen, com todos os ingressos sempre esgotados; os boatos de que ele estaria em conversações com a Fox sobre um programa noturno; e a ameaça de um processo no valor de US$ 100 milhões por causa da sua demissão sensibilizaram a CBS. Não deixa de surpreender que na sua ação o ator, definido por seu pai, o também ator Martin Sheen, como "emocionalmente doente", também busque beneficiar a equipe e o elenco da série. "A fé pode salvar Charlie", afirmou Martin, ex-dependente químico, à publicação britânica The Telegraph.

A infindável lista de controvérsias nas quais Sheen tem se envolvido teve mais um episódio na segunda-feira, quando saudou com um beijo na boca o apresentador do programa do qual participava, Jimmy Kimmel. Na entrevista, deu dicas de uma possível ida para a Fox. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.