CBS exibe novas imagens da tragédia do WTC

Engana-se quem acha que já viu todas asimagens da tragédia do World Trade Center, como os choques dosaviões contra as Torres Gêmeas em vários ângulos. Foi ontem ao ar, na emissora de TV americana CBS, o documentário deduas horas de duração 9/11, com imagens inéditas gravadasdentro dos edifícios logo após os atentados terroristas de 11 desetembro.As imagens impressionantes foram feitas pelos irmãos francesesGedeon e Jules Naudet, 31 e 28 anos anos, respectivamente, osmesmos que foram os únicos a filmar o choque do primeiro aviãocontra uma das Torres Gêmeas. Eles estavam na região para rodarum documentário sobre um bombeiro novato, Tony Benetatos, eacabaram envolvidos em toda a tragédia. Gedeon filmou do lado defora, mas Jules fez imagens do lobby do WTC durante a evacuaçãodos edifícios. Sem contato por várias horas, um achava que ooutro tinha morrido.O maior receio das famílias das vítimas era a exibição deimagens de pessoas que morreram e de cenas gráficas osofrimento de seus parentes e amigos, mas a edição não mostrounada deste tipo. O próprio Jules diz no vídeo, por exemplo, queinstintivamente colocou a câmera de lado quando viu dois homenscom extensas queimaduras por todo o corpo ao deixar os prédios.A única cena de "sangue" é a de um bombeiro machucado no rostodepois do colapso dos dois edifícios.Ninguém prepara o público, no entanto, para o som da queda daspessoas que pularam dos edifícios de 110 andares. No meio detoda aquela confusão, o barulho da "chuva de corpos", comodescreveu um bombeiro, choca até os profissionais envolvidos. O som também édramático no momento em que desaba a Torre 2, quando Julesfilmava no lobby da Torre 1. Outra imagem impressionante équando a Torre 2 rui. Jules corre para fugir da queda dosdestroços, cai no chão e é protegido por um bombeiro. Com acâmera ligada o tempo todo, a sensação é a de que eles foramenterrados vivos debaixo da chuva da poeira e dos destroços.O filme mostra também o capelão do Corpo de Bombeiros de NovaYork, Mychal Judge, que morreu atingido por destroços da quedada Torre 1. No documentário, ele aparece andando no lobby dosprédios e rezando em voz baixa. Minutos depois, o vídeo mostraum grupo de bombeiros carregando o corpo do capelão.Fora dos padrões das redes de TV americana está apenas alinguagem do documentário, que tem muitos palavrões faladospelos bombeiros. Um comunicado no início da transmissão avisouos telespectadores para a linguagem baixa, principalmente para ocomeço do vídeo.O filme original rodado pelos Naudet foi mostrado em Corpos deBombeiros da cidade (que perderam mais de 300 homens natragédia) e até estudado até pelo Federal Bureau ofInvestigation (FBI). No total, os irmãos filmaram mais de 180horas, desde junho do ano passado. Em 9/11, entraram 45minutos.A apresentação de 9/11 é do ator Robert De Niro e a narração, do bombeiro James Hanlon, que estava trabalhando em parceriacom os Naudet no documentário. Os irmãos franceses, que moram emNova York desde 1989, também contaram suas experiências. Oprograma foi ao ar com apenas três intervalos comerciais (umtotal de 7 minutos e meio), todos da empresa de telecomincaçõesNextel, que resolveu patrocinar sozinha a transmissão.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.