Pedro Macedo
Pedro Macedo
Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Caverna.club: Palcos para matar fascistas

Eles matam fascistas. Mas há um detalhe: cada um a sua maneira, com seus métodos

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2020 | 03h00

Uma família incomum, como cada uma a seu modo, com suas peculiaridades e vícios. De vez em quando há até o que falar de bom sobre. Mas nem sempre. Talvez muito raramente sobre essa família. O mesmo se pode dizer sobre o músico que toca violão. Coitado, vagando por aí, pegando carona. Tanto a família como ele têm algo em comum: o palco. É no palco, em seus palcos particulares, que cada um age da mesma forma. Eles matam fascistas. Mas há um detalhe: cada um a sua maneira, com seus métodos.

FAMÍLIA DE MORTE

 

Catarina é jovem e prepara-se para matar seu primeiro fascista. Os pais exultam, descontrolados. A família mata fascistas, está no sangue. Da família, claro. Talvez também no da pobre criatura. Mas o pitéu da família recusa-se, não quer matar o fascista raptado para o devido fim. A crise se instala. O que é um fascista? Pode-se, em nome das escolhas, matar fascistas? Poderia ser hoje, coisa da vida, e talvez seja mesmo, mas se trata de uma peça. Catarina e a Beleza de Matar Fascistas é a nova montagem do diretor português Tiago Rodrigues, também autor do texto. 

 

PEIXEIRA SEM FIO

 

Não há o que temer, Catarina e sua família vivem longe, Lisboa. A estreia no Centro Cultural Belém será em 9 de dezembro. Estamos todos seguros. Ou não, quem sabe? Mas há a libertação. A trilha da peça não mata apenas fascistas, mas cada um de nós. Lentamente, comme il faut. São quatro compositoras, todas acessíveis no Spotify. Hania Rani, Joanna Brouk, Laurel Halo e Rosalía. Comece a afiar a peixeira. 

VIOLÃO MORTAL

 

Woodrow Wilson Guthrie arrastou o nome do 28.º presidente norte-americano por 55 anos, mas a vida o libertou como Woody Guthrie (woodyguthrie.org), um dos mais influentes músicos dos Estados Unidos, digno da baba involuntária de Bob Dylan, Joan Baez e Bruce Springsteen. Seu mundo era a folk music e sua vida plena de desgraças, contratempos e, por que não dizer, reconhecimento das pessoas comuns por onde passava. Cruzou o país, trilhos de trem, sempre de carona. No violão de Woody a frase reveladora: Esta máquina mata fascistas. 

 

PALCO DE AREIA

Estão ao alcance das mãos dois documentários sobre o artista, em versão integral. Um produzido pela BBC, Woody Guthrie (youtu.be/9EnXnFgnkUc), e Hard Travelin’ (youtu.be/roRzmTmT5kU). 

É JORNALISTA E ESCRITOR, AUTOR DO INFANTIL ‘ZIIIM’ E DE ‘ENQUANTO ELES CHORAM, EU VENDO LENÇOS’

Tudo o que sabemos sobre:
teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.