Cavalera faz celebração indiana na passarela

Bollywood (a indústria do cinema indiano), marajás, divindades védicas, Gandhi, saris, especiarias, Taj Mahal e Sydney Magal. A ?passagem para a Índia? de Thais Losso, na Cavalera, foi um delicioso sarapatel fashion. Thais é craque na hora de mixar clichês com ícones bregas e traduzí-los em uma linguagem jovem e streetwear. Daí, o que é que a Índia tem a ver com o streetwear urbano? Nada. E tudo. Porque os saris e saruéis típicos serviram de inspiração para minivestidos dançantes e jeans invocados. Ficou divertido, ficou diferente. O terno safári (do colonizdor inglês lá, do político cafona aqui) apareceu listrado, em Madras e com estampa de onça. Alguns até com mangas justinhas, na medida para bíceps trabalhados nas academias. Teve também agasalhos de moleton com listras douradas e camisetas com posters de filmes bollywoodianos, Jesús Cristo (!!!!) e Michael Jackson travestido de deus indu. Uma fuzarca!Como sempre, convidados especiais na passarela. A cantora paraguaia Perla abriu o desfile vestida de deusa. Latino ensaiou passos de break. O casseta Helio de la Peña veio com a camisa de ?O Indiano de Itu?. E Sidney Magal, discretíssimo, vestia camisa com apliques de rosas. No final, todo mundo entrou dançando ao som de George Harrison, My Sweet Lord, seguido de Jorge Benjor, Taj Mahal. Final melhor para uma semana peso pesado, impossível. A Cavalera realmente cantou para subir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.