Cavalera desfila no rio Tietê com chuva, lixo e mau cheiro

Marca fez um desfile-manifesto para chamar atenção sobre os problemas ambientais da cidade

Fernanda Ezabella, REUTERS

20 de janeiro de 2008 | 13h58

Não vá de salto, alertava o convite para o desfile de outono-inverno da Cavalera, neste domingo, 20, na margem do rio Tietê, em meio a chuva, muito lixo, mau cheiro e clima de protesto.   Veja também: Blog da SPFW 2008  A marca, com Marcelo Sommer na coordenação criativa, fez um desfile-manifesto para chamar atenção sobre os problemas ambientais da cidade. A inspiração veio de um movimento chamado Remember Chernobyl, de um amigo do estilista engajado na luta contra as usinas nucleares. A imprensa que cobre o São Paulo Fashion Week, cuja maioria dos desfiles acontece no pavilhão da Bienal, trocou os sapatos ousados por tênis e botas de galocha, embora algumas mulheres estivessem de sandálias e até mesmo de salto. Os jornalistas e convidados também substituíram as roupas da última moda por capas de chuva amarelas e máscaras azuis para tampar nariz e boca, distribuídas pela própria grife. "Achei fantástico a Cavalera ter coragem de realmente despertar uma consciência ambiental na gente", disse a editora de moda e apresentadora Lilian Pacce, usando a máscara e botas pretas de galocha. O desfile aconteceu em uma margem do rio na altura do trecho conhecido como Cebolão, debaixo de uma das várias pontes, que protegeu os modelos da chuva ininterrupta. A imprensa assistiu de um barco de três andares, que não saiu do lugar, atracado na margem. Sem trilha sonora, o desfile começou com uma sirene. Os modelos desceram por duas escadas de madeira, vindo da margem mais alta para uma à beira do rio, pertinho do barco. Depois, ficaram circulando por ali, meio como zumbis, arrastando casacos e vestidos pelas poças de água. O cenário era de fato apocalíptico. As águas barrentas do rio levavam os mais diversos tipos de lixo, de embalagens de detergente e margarina, a camisinhas, copos plásticos e garrafas de refrigerante. O céu estava cinza, as pontes pichadas e ainda havia alguns barcos abandonados na região, completamente enferrujados. Um dos primeiros looks exibidos no desfile foi um moleton de capuz e bolso estilo canguru, na cor laranja e com um esquilo desenhado em preto. A marca usou muito xadrez, como um vestido tomara-que-caia de flanela azul escuro. O símbolo nuclear, formado por três hélices, apareceu desenhado em diversas peças de modelagem ampla, como jaquetas e calças masculinas. "O desfile foi excelente, tem uma moda incrível, com toda esse caráter de contestação e conscientização", disse Pacce à Reuters, ao final da apresentação. "Tudo bem que aqui não é Chernobyl, mas está quase, olha só quanto lixo boiando." Sommer, em entrevista recente, disse que o desfile era para ser "menos feliz e animado como normalmente é a Cavalera." "É mais um alerta, um manifesto. Vamos falar sobre lixo atômico, lixo humano, sobre viver na cidade grande", disse. A grife fez uma parceria com o Instituto Navega São Paulo, que tem a concessão para circular pelo rio com o barco Almirante do Lago - o mesmo que levou 1.700 pessoas em dois meses de 2006 na temporada de uma peça do Teatro da Vertigem.

Tudo o que sabemos sobre:
MODASPFWCAVALERA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.