Católicos queimam exemplares do Código Da Vinci na Itália

Dois exemplares do livro Código Da Vinci, de Dan Brown, foram queimados neste sábado por representantes do Partido Democrata Cristão, em Ceccano, Itália. Houve brigas e tomates foram arremessados depois do ato praticado por dois conselheiros da cidade (vereadores), que disseram agir em defesa de Jesus.Cerca de 100 pessoas assistiram à queima do livro e algumas delas chamaram os conselheiros Massimo Ruspandini e Stefano Gizzi de "bufões" e "fascistas", enquanto eles seguravam os volumes em chamas, um dia depois do filme baseado na história de Dan Brown estrear nos cinemas italianos. "Estou envergonhado por este ato deplorável", lamentou o prefeito da cidade, Antonio Ciottoli.Mas Gizzi e Ruspadini tinham pelo menos meia dúzia de apoiadores, que gritavam "comunistas!" para as pessoas que se aglomeravam no centro da cidade a 96 quilômetros de Roma. "Nós tínhamos que defender Jesus", disse Gizzi.O filme, que foi apresentado na última quarta-feira no festival de Cannes, e o livro irritaram alguns líderes católicos com a premissa de que Jesus se casou e teve filhos e de que o movimento conservador católico, Opus Dei, é um culto assassino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.