Cate Blanchett entra em choque com premiê da Austrália

O clima agradável de simpatia entre oprimeiro-ministro australiano, Kevin Rudd, e a comunidadeartística do país, especialmente a atriz de Hollywood CateBlanchett, tropeçou num obstáculo na forma de uma exposição defotos de meninas nuas. Blanchett e outras 42 figuras de destaque do mundo dasartes australianas assinaram uma carta aberta em que criticamRudd por ter descrito como "revoltantes" as fotos feitas peloartista Bill Henson de crianças de 12 e 13 anos nuas. Na semana passada a polícia fechou a exposição de Hensonnuma galeria de arte de Sydney e confiscou 20 de suas fotos,como parte de uma investigação que vai decidir se o artistaserá alvo de uma acusação criminal. A operação policial desencadeou na Austrália uma discussãoacirrada sobre o que é arte e o que é pornografia, e acomunidade artística, que deu seu apoio público ao PartidoTrabalhista de Rudd antes de sua vitória eleitoral em novembro,criticou o premiê por ser favorável à censura nas artes. "O processo judicial que pode ser movido contra um denossos artistas mais respeitados não é o caminho para seconstruir uma Austrália Criativa e prejudica profundamentenossa reputação cultural", disse a carta aberta endereçada aoministro do Ambiente australiano e ao premiê do Estado de NovaGales do Sul. "Devemos recordar que um critério importante de liberdadesocial, em tempos passados ou em regimes repressivos em outraspartes do mundo, é o tratamento dado pelo Estado à arte e aosartistas." A carta é assinada por Blanchett, a quem Rudd visitou nohospital dias após o nascimento de seu segundo filho, em abril,e a quem o premiê convidou a vir a Canberra para participar desua conferência nacional 2020 sobre o futuro da Austrália.Outros signatários incluem o escritor premiado com o Nobel JohnCoetzee. "Queremos deixar claro que nenhum de nós endossa o abuso decrianças, de qualquer maneira," disseram os signatários. "Otrabalho de Henson não tem nada a ver com pornografia infantile é arte com toda certeza, segundo a avaliação de alguns doscríticos e curadores mais respeitados do mundo." A comunidade artística pediu a Rudd que repensasse seuscomentários sobre o trabalho de Henson, mas o premiê não mudousua postura. "Manifestei minha reação, a confirmo, não peço desculpaspor ela e não a modificarei", disse Rudd a jornalistas emCanberra na quarta-feira. "Acho imprescindível que as criançastenham inocência em sua infância." A carta aberta pediu ao ministro das Artes, Peter Garrett,ex-vocalista da banda de rock australiana Midnight Oil, que "semanifestasse em defesa dos artistas, contra a tendência dainvasão da censura". "Já estamos vendo sinais preocupantes de autocensurapreventiva por parte de algumas galerias", diz a carta aberta."Não é isso que caracteriza uma democracia aberta, nem umasociedade decente e civilizada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.