Acervo Michelle Francine Weiss
Acervo Michelle Francine Weiss

Casal dá volta ao mundo sobre quatro rodas

Roy e Michelle fizeram duas longas viagens visitando 103 países, que inspiraram palestras motivacionais

Danilo Casaletti, Especial para o Estadão

27 de janeiro de 2022 | 08h01

Durante um intervalo de aula do curso de MBA em marketing que cursava em Curitiba, em 2005, o catarinense Roy Rudnick, atualmente com 47 anos, ouviu a história de um empresário de São Paulo. O sujeito falava da vida estressante que levava anos antes.

Contou-lhe que, ao tirar um período de férias na Alemanha, sentiu-se mal. Parecia que o corpo não entendia aquela pausa na rotina de compromissos. Passou os dias programados para descanso em um leito de hospital. Ao se ver naquela situação, tomou a decisão de ligar para o chefe no Brasil e pedir demissão.

O relato acendeu um sinal amarelo em Roy. Sua vida como gerente de marketing de uma empresa familiar do setor moveleiro em São Bento do Sul, em Santa Catarina, também era de muita cobrança e responsabilidade.

Ao ser questionado sobre quais seriam seus sonhos, Roy respondeu. “Quero, daqui a 10 anos, dar uma volta ao mundo de carro”. O colega não se assustou com a ideia, mas sim com a projeção de tempo. “Dez anos? Você não sabe como sua vida estará até lá. Vá agora!”, aconselhou o workaholic convertido.

“Durou um segundo”, diz Roy, sobre o momento de decidir, com esse pequeno empurrão do destino, largar tudo e partir mundo afora. Entretanto, havia mais alguém, também importante na história: a namorada Michelle Francine Weiss, à época estudante do curso de arquitetura e urbanismo. “Falei a ela: estou indo. Você vai junto?”, conta. “Ele disse que iria mesmo sem mim. Então, decidi acompanhá-lo”, diz Michelle, 37 anos.

O casal juntou suas economias, cerca de US$ 70 mil. Em fevereiro de 2007, os dois, ainda namorados, partiram para a primeira viagem que durou quase dois anos e percorreu países como Portugal, Espanha, Alemanha, Síria, Egito, Irã, Paquistão, Camboja e Austrália.

Na segunda volta, entre 2014 e 2017, já com a renda gerada pelos eventos da primeira viagem, visitaram México, Estados Unidos, Dinamarca, Ucrânia, Afeganistão, Mongólia e China. Sempre fugindo das grandes capitais ou cidades cosmopolitas. Ao todo, foram 103 países visitados. Mais de 300 mil quilômetros em 2.230 dias. Sempre em busca do diferente, no interior dos países.

Experiência mágica

“Temos um apego por localidades menos desenvolvidas, menos globalizadas. Buscamos o diferente, os contrastes culturais”, diz Michele. “Muita gente nos pergunta: ‘vocês foram para o Afeganistão? Não ficaram com medo?’. Desde o contato com o oficial de fronteira até o final, fomos muito bem recebidos. Uma experiência mágica”, completa Roy.

Parte dessas duas viagens está registrada no livro Mundo Por Terra - Cada Canto do Mundo, em versão em português e inglês com 156 fotografias registradas por eles, publicadas em página dupla. Elas foram selecionadas entre um acervo que soma quase 144 mil fotos.

Na publicação, há, por exemplo, imagens de hindus no ritual de mortificação do Vel Kavadi, na Malásia. Na Índia, eles registraram os barbeiros de rua. Em Camarões, flagram um simpático gorila na floresta. A comunidade nômade de quirguizes foi alvo das lentes dos viajantes no Afeganistão.

A segunda expedição teve uma singularidade: Roy e Michelle tinham como objetivo atingir a Latitude 70º Norte, pontos mais extremos da Terra, em três diferentes localidades: Prodhoe Bay, no Alasca; NordKapp, na Noruega; e Tyoply Klyuch, na Rússia.

Na Rússia, eles descobriram que não havia estradas que os levassem a esse ponto mais longínquo. Apenas rios congelados que viram vias de inverno - única época do ano, então, possível de alcançar o local. 

O casal pegou uma temperatura de 55° negativos. Foram desencorajados de seguir pelos próprios russos. Um Land Rover Defender transformado em motorhome - a caçamba virou a casa, feita de ferro e alumínio -, tinha que ficar 24 horas por dia ligado, por 40 dias seguidos, por conta do frio. Conseguiram. Passaram sob o rio Iana congelado.

Além do livro de fotos que lançam agora, Roy e Michelle também são autores de Mundo por Terra - Uma Fascinante Volta ao Mundo de Carro (2013), que está na oitava edição, com o relato do primeiro giro pelo mundo, e Mundo Por Terra - Onde Terminam As Estradas (2020), sobre a experiência da Latitude 70°.

Toda essa vivência, além de livros e participações em eventos, virou palestras motivacionais que o casal apresenta para empresas. “Mais que uma fonte de renda, é uma forma de compartilharmos nossas histórias. Falamos sobre metas, planejamento, adaptação e resiliência. Recentemente, falamos para cerca de 100 juízes em Cuiabá”, diz Roy.

Depois das viagens, Roy e Michelle se tornaram pais de Serena, hoje com três anos. Eles já pensam em uma nova viagem, desta vez para fotografar o Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.