Casa virtual de Bin Laden concorre ao Turner Prize

Dois artistas que recriaram o que seria a residência de Osama bin Laden no Afeganistão estão entre os indicados ao Turner Prize, mais prestigiado e freqüentemente polêmico prêmio britânico para a arte contemporânea, no valor de 40 mil libras (cerca de R$ 220 mil). The House of Osama bin Laden, da dupla de ingleses Ben Langlands, de 48 anos, e Nikki Bell, 44, foi feito a partir de fotos, vídeos e animação digital, permitindo um passeio virtual pelo esconderijo do terrorista saudita. Para fazer a instalação, eles percorreram o Afeganistão em 2002.A dupla concorre com mais três candidatos ao Turner, segundo anúncio da relação final de indicados, feito hoje: Jeremy Deller, 38 anos, com Memory Bucket, instalação multimída que retrata o Estado americano do Texas, terra natal do presidente americano George W. Bush; Kutlug Ataman, 41, famoso por um vídeo sobre um transsexual turco; e Yinka Shonibare, 42, com seus manequins sem cabeça, vestidos em roupas de tradição africana. Segundo Nicholas Serota, diretor da Tate Gallery e presidente do júri do Turner, a seleção deste ano "representa um interessante apanhado da arte que está sendo feita hoje na Grã-Bretanha."Todos os indicados estarão em cartaz na Tate Gallery (http://www.tate.org.uk), de 20 de outubro a 23 de dezembro. O prêmio, que no ano passado foi para o ceramista Grayson Perry, famoso por aparecer vestido de mulher, será anunciado em 6 de dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.