"Casa Grande & Senzala" em quadrinhos é relançado

A versão em quadrinhos de Casa Grande & Senzala está de volta às livrarias e bancas de jornais. Vinte anos passados de sua primeira versão em quadrinhos e um ano após seu relançamento comemorativo dos 100 anos de Gilberto Freyre, a quadrinização da obra guia do escritor, sociólogo e antropólogo retorna em edição brochura e colorida, lançada pela Ed. ABEgraph.O livro é o mesmo editado em 1981 (Ed. Ebal), e desenhado pelo veterano quadrinista Ivan Wasth Rodrigues. O texto é de Estevão Pinto. No ano passado, uma versão, em capa-dura, foi colorizada pelo desenhista, arquiteto e artista gráfico Noguchi, morto no mesmo ano. Esta nova prensagem é a mesma do ano passado, mas traz como opção à versão em capa dura (R$ 48), a brochura, por R$ 15. Fica mais fácil ter contato com a obra de 1933 que analisa a colonização brasileira, faz um perfil de cada um dos três principais povos que formaram o Brasil (o negro, o índio e o português) e aponta a miscigenação - tida até então como um problema por outros autores - como a causa da suposta ´harmonia´ interracial do País.Os traços de Wasth, 73 anos, são um caso à parte. Além de belíssimos, ainda foram cuidadosamente produzidos. O desenhista sempre se preocupou com a reconstituição de época. A fidelidade aos detalhes aparece na reprodução de vestimentas, locais e ações, tudo com base em estudos e fontes que vão de livros de história a arquivos pessoais. Não à toa, ele é o ilustrador responsável por diversos livros didáticos.Gilberto Freyre (1900-1987), à época do primeiro lançamento da quadrinização, elogiou o "grande valor humano e profundamente cultural" da adaptação. E confessou-se um entusiasta das HQs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.