Casa Europa diversifica cardápio

A Casa Europa mudou de donos, ficou menos italiana e assumiu pratos de outros países, como Portugal. O novo dono aprecia essa cozinha e o seu chef de cozinha, Edmundo, trabalhou durante dez anos com d. Maria Teresa Batalha no Marquês de Marialva, que foi um dos melhores restaurantes da especialidade de São Paulo. O restaurante é mesmo bastante simpático, já tem tradição e teve uma ótima fase com a cozinha italiana, notadamente siciliana, de d. Maria Montanarini. Recentemente, ela vendeu a casa para Américo Marques da Costa, uma pessoa muito conhecida e querida, que vem a ser um dos donos do Supremo, um bar boêmio e gostoso.Ameriquinho, como é mais conhecido, quis dar um ar mais europeu e teve a sorte de contratar Edmundo Ferreira de Brito, de reconhecida competência na preparação de pratos portugueses. O cardápio está realmente eclético, com entradas e porções divididas em vários capítulos. Entre os "petiscos" se destacam, segundo Ameriquinho, os bolinhos de bacalhau (R$ 4) e os croquetes de pato (R$14). Para abrir uma refeição as entradas e saladas, entre as quais estão incluídas as ostras frescas, tradicionalmente servidas pela casa (R$ 11 a meia dúzia) e as sopas. Seguem-se os capítulos das massas, peixes e frutos do mar, carnes e aves.O lado português aprovou totalmente e justifica a visita, começando pelo "arroz malandrinho" de frutos do mar servido numa cumbuca, como as de feijoada (R$ 36). Um arroz bem mole, quase uma sopa, meio picante, perfumado pela salsinha, saboroso e com bastante frutos do mar (camarão, polvo, lula). Ainda no capítulo, o arroz de pato (R$ 28), arroz de polvo (R$ 28), arroz de lula (R$ 28), arroz de camarão (R$ 36) e arroz de bacalhau (R$30).Os dois pratos com o bacalhau agradaram bastante: Bacalhau à portuguesa gostoso, cozido, com um pouquinho de sal a mais e não tão farto, servido com ovo e vegetais (cebola, acelga, cenoura e outros, R$ 35). Melhor o bacalhau ao forno (duas peças), com bastante azeite e servido bem quente numa cumbuca de barro com batatas e brócolis (R$ 35). Bacalhau de boa origem, que se desfazia em escamas regulares quando puxado com o garfo.Os demais pratos não decepcionaram, mas acabaram assumindo papéis de coadjuvantes. Interessante, bonita a salada Cremona (alface roxa, frango desfiado e mostarda de Cremona, que é feita com frutas numa calda agridoce, R$ 15). Bom o salmão com pimenta rosada (no ponto, saboroso, molho de açafrão e pimenta rosada, que não é picante, R$ 24). O spaghetti com alcachofra era um dos pratos do dia a acabou aprovando (R$ 21). Já o filé ao molho de mostarda veio frio demais (R$ 26). Molho um pouco cremoso demais, corretamente perfumado pelo estragão.Carta de vinhos fraca, com poucas opções, bem aquém da cozinha. A Casa Europa tem ares de cantina, não tem a pretensão de ser chique, mas mesmo assim poderia apresentar melhores taças para os vinhos.Um restaurante simpático, com mesas num terraço e fachada marcada pelas vidraças com esquadrias de madeira. Salão simples, de bom gosto, com um grande bar ao fundo.Casa Europa. Al. Gabriel Monteiro da Silva, 726, Jd. Paulistano, tel. 3081-6688. Diariamente, das 12h à 1h. C.C.: D., M. e V. Estac. R$ 7. Cotação: Muito bom.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.