Casa de primeiro imperador romano é aberta ao público

Casa do século 36 a.C. decorada com afrescos era residência privada e palácio.

Assimina Vlahou, BBC

11 de março de 2008 | 09h20

A casa de Otávio Augusto, uma das figuras mais importantes da Antigüidade, foi aberta à visitação pública pela primeira vez depois de três décadas de meticulosos trabalhos de restauração - de, por exemplo, raros ciclos de afrescos - e reforço de estruturas.A residência faz parte de um complexo mais amplo, de 12 mil metros quadrados, descoberto por arqueólogos durante escavações no final dos anos 1970. Depois da fase de identificação, eles iniciaram as obras que só agora foram parcialmente concluídas.Apenas quatro salas estarão disponíveis para a visita, por enquanto. Uma delas é o "gabinete" de Augusto, uma espécie de escritório particular do homem que comandou Roma depois de Julio César, entre 27 a.C. e 14 d.C . O nome dele ficou ligado a um "período de ouro" da civilização romana."A casa é de grande interesse histórico, arqueológico e artístico. Os afrescos, especialmente do gabinete, são altamente refinados e riquíssimos, com cores que vão do vermelho pompeiano ao amarelo ocre, passando por tons de rosa, azul e uma infinidade de violeta", comentou a crítica de arte e historiadora brasileira Elisa Byington, em entrevista à BBC Brasil.Ao examinar a área, os arqueólogos encontraram paredes inteiras pintadas com afrescos, mas também fragmentos pequenos nas proximidades, que os restauradores conseguiram recompor, num trabalho meticuloso que o ministro da cultura Francesco Rutelli definiu como "o quebra-cabeças mais fascinante da época contemporânea".CuidadoAs autoridades italianas gastaram até agora cerca de US$ 3 milhões na recuperação da área. Para melhor conservar os delicados afrescos, há controle de temperatura e umidade dos ambientes e as visitas serão limitadas. Podem entrar nos cômodos apenas cinco pessoas de cada vez.A residência de Augusto foi construída no ano 36 a.C., antes de ele se tornar o primeiro imperador romano, no ponto mais sagrado do monte Palatino, próximo ao Coliseu. Conta a tradição que foi ali que Rômulo e Remo fundaram a cidade de Roma.A casa era usada como residência privada e como palácio imperial para as funções civis, políticas e religiosas. Augusto, além de chefe supremo dos exércitos romanos, era também o Pontífice Máximo.Otávio Augusto governou com o consenso do Senado e aprovação popular, e ficou conhecido pelo período de paz que impôs - a chamada pax augustea -, ao qual foi dedicado um monumento na cidade.Ele diminuiu o Exército de 50 para 28 legiões e, depois de anos de lutas e guerras, trouxe bem estar e serenidade aos romanos.No período em que comandou Roma, Augusto transformou o aspecto da capital, com obras e construção de templos, monumentos e teatros, usando materiais ricos como o mármore.Segundo os historiadores, pouco antes de morrer ele teria dito que quando chegou ao poder "encontrou uma cidade de tijolos e deixou uma cidade de mármores".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.