Casa Cor projeta o futuro na decoração

Praticidade, beleza, tecnologia econforto são as palavras de ordem num dos mais importantes eglamourosos eventos de decoração que começa nesta terça-feira nacidade. Com o tema O Passado Dá Lugar ao Futuro, a Casa Cor2002 chega a sua 16.ª edição com as últimas tendências no setorem 89 ambientes projetados pelos 122 arquitetos, decoradores epaisagistas mais conceituados no País. O condomínio residencial de alto padrão e sua ampla áreade convivência que formam a Casa Cor estão instalados nos 46.130metros quadrados de terreno e 6.800 de área construída do antigoAsylu Sampaio Vianna, projetado em 1895 por Ramos de Azevedo apedido da Irmandade da Santa Casa de Misericódia, para abrigarbebês abandonados. Localizado no Pacaembu, o conjunto deedificações, que hoje pertence à Fundação Faculdade de Medicinada USP, levou 32 anos para ser construído. Com a desapropriação do imóvel, na década de 60, ainstituição foi para as mãos do Estado de São Paulo e passou aser administrada pela Fundação do Bem-Estar do Menor (Febem),servindo de abrigo para crianças de até 6 anos. Em 1998, oimóvel foi tombado pelo Conselho de Defesa do PatrimônioHistórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de S.Paulo (Condephaat). Segundo o diretor da Casa Cor, RobertoDimbério, a intenção é mostrar que imóveis antigos e poucoconservados podem servir à cidade sem perder seu caráterhistórico. Depois da mostra, o prédio recuperado terá usoacadêmico nas áreas médicas e de saúde. Até o dia 9 de julho, o público poderá conferir ótimasidéias em 7 apartamentos, 10 estúdios e ainda escritório para oscondôminos, biblioteca, sala de leitura, salão de festas, lojade conveniência, sala de massagens, perfumaria, salão decabeleireiro, lavanderia, playground e até um iate e um spa compiscina, o último assinado pelo paisagista Gilberto Elkis. Osbanheiros e as cozinhas também merecem um olhar especial. A capela com projeto de Gil Fialho, por exemplo, é umadas novidades deste ano. A decoração mistura mobiliáriocontemporâneo, alguns do designer francês Phillip Starck, epeças de antiquário, como um banco do século 16. Já a passadeiraque leva ao altar foi confeccionada com sobras da indústriatêxtil pela ONG Aldeia do Futuro. Durante todo o período damostra, a capela contará com uma programação musical diária. Orepertório eclético terá cantos gregorianos, canções folclóricase populares e árias de ópera, como a que será apresentada porCeline Imbert no dia 6. Os ingressos custarão R$ 1 e toda arenda arrecadada vai reverter para o Lar Escola São Francisco,assim como o valor cobrado na entrada. Também é a primeira vez que a Casa Cor ganha uma trilhasonora. O CD, do produtor musical Nelson Motta, reúne 12 músicaspara relaxar. São canções de Ed Motta, Billie Holliday, ElisRegina, Marina Lima e Donato e Seu Trio, entre outras. Com preçomédio de R$ 20, o CD estará à venda no evento e em lojas dedecoração. Funcional- Em muitos ambientes da Casa Cor se nota que,além da grande utilização de elementos naturais como fibras emadeira, as influências temáticas e multiculturais aliam-se afuncionalidade e tecnologia. O arquiteto João Armentano, porexemplo, fez do quarto do casal sem filhos um espaçoaconchegante e intimista, com sensação de amplitude, mas quetambém abusa da tecnologia, em portas, iluminação, persiana esom, todos automatizados e comandados por uma pequena tela."Fiz uma viagem ao futuro, como nos desenhos dos Jetsons",brinca Armentano. Outro ponto alto do evento é o jardim de inverno deDébora Aguiar, concebido com 35 toneladas de aço e 740 metrosquadrados de vidro, com queda d´água no telhado e jardim zen."Criei um espaço agradável para reunir toda a família, commuito verde", explica. Outros destaques são a biblioteca de Helena Viscomi; obar de Esther Giobbi; o apartamento da jovem executiva deBrunete Fraccaroli; o estúdio do estilista de Léo Shehtman; asala de tevê do apartamento master de Dado Castello Branco; oapartamento do casal com filho moço de Ana Maria Guimarães deVieira Santos; e a recepção do restaurante de Layde Tuono. A delícias da boa mesa também são uma atração da mostra.O restaurante assinado por Sig Bergamin oferece a saborosacomida do bufê Badebec, que também atende (com a Chá Castellari)ao salão de chá projetado por Elizabeti Rodrigues e RodrigoRodrigues. No snack bar dos arquitetos da Bernardes JacobsenGuimarães, estará a cozinha do Esplanada Grill. Já o cardápiooriental do Japengo será degustado no sushi bar, de Gui Mattos.A expert Camilla Matarazzo cuidou da ambientação do café echocolate, com serviços do Illy Café e Chocolat Du Jour. Aarquiteta Patricia Anastassiadis assina o espaço Café com Pão deQueijo, que terá os quitutes da Casa do Pão de Queijo e daCastellari.Serviço - Casa Cor 2002. De terça a domingo e feriado, das 12 às21 horas. Local: R. Angatuba, 756, tel. 3034-3707. De R$ 10,00 a R$ 20,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.