Casa Christie's vende obra de Francis Bacon por R$ 104 milhões

Mesmo sem bater o recorde do artista, pintura alcançou o preço mais alto por obra de arte em leilão europeu

REUTERS

07 Fevereiro 2008 | 12h52

A casa de leilões Christie's vendeu na quarta-feira um tríptico de Francis Bacon por 26,3 milhões de libras (51,7 milhões de dólares, o equivalente a R$ 104 milhões), o preço mais alto já pago por uma obra de arte do pós-guerra num leilão europeu, e que quase alcançou o recorde do artista. Tríptico 1974-77 foi parte do leilão de arte contemporânea e do pós-guerra da Christie's, que destacou a resistência do mercado de arte, em meio aos temores de que o dólar fraco, a turbulência nas bolsas e os receios de uma recessão nos EUA pudessem prejudicar a demanda. O leilão rendeu ao todo 72,9 milhões de libras, o segundo mais alto total para um leilão de arte contemporânea e do pós-guerra da Christie's em Londres. "Durante todo o leilão, tivemos participação ativa de clientes americanos que fizeram lances competitivos ao lado de outros colecionadores internacionais", disse Pilar Ordovas, diretora de arte contemporânea e do pós-guerra da Christie's Londres. A casa de leilões disse que o preço pago pelo trabalho do irlandês Bacon, pintado em reação ao suicídio de seu amante George Dyer, fez dele a obra de arte mais cara já vendida pela Christie's em Londres. O recorde de Francis Bacon ainda é o de 26,6 milhões de libras, valor pelo qual a Sotheby's vendeu Estudo de Inocêncio X, 1962, em maio de 2007 em Nova York.

Mais conteúdo sobre:
ARTE CHRISTIES BACON

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.