Cartum perde caloi, um herói argentino

O cartunista argentino Carlos Loiseau, mais conhecido pelo nome artístico "Caloi", morreu ontem (terça-feira) em Buenos Aires, após vários dias de internação hospitalar por "grave doença", segundo informaram amigos da família do artista. Caloi, que tinha 63 anos, foi o criador de Clemente, um peculiar pato com listas pretas e amarelas no corpo - tal como uma abelha - que não tinha asas nem braços. Clemente era um bon-vivant que amava o futebol, o tango, a política e as mulheres. O personagem, que com frequência protagonizava situações surrealistas, sempre tinha algum comentário sarcástico na ponta da língua. Clemente era considerado o "alter ego" dos portenhos. Em 2004, Clemente (publicado ininterruptamente desde 1973) virou "Patrimônio Cultural de Buenos Aires". Clemente tornou-se sucesso nacional quando, na Copa de 1978, convocou argentinos a jogar papel e confete nos estádios. Afrontava pedido do locutor oficial do regime militar da época, que fazia campanha contra o confete nos estádios por ser algo "sujo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.