Cartum censurado no Rio pelo TJ recebe 'asilo' em gabinete

Obra em questão é um desenho do artista Carlos Latuff

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2013 | 12h08

O desembargador Siro Darlan, do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio, decidiu ontem conceder “asilo artístico” a um desenho do artista Carlos Latuff, cujo recolhimento tinha sido ordenado pelo tribunal, e o pendurou em seu gabinete – como se abrigasse um perseguido político.

Darlan socorreu o juiz João Batista Damasceno, da 1ª Vara de Órfãos e Sucessões, que tinha sido instado pelo Órgão Especial do TJ a tirar de sua parede o cartum enquadrado de Latuff, obra intitulada Por Uma Cultura de Paz. A censura foi motivada por um pedido do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP).

Bolsonaro acusa a obra de Latuff de ser difamatória em relação à Polícia Militar. A charge de Latuff mostra um policial de colete atirando com fuzil em um homem negro crucificado.

“Ainda censuram obras de arte!”, exclamou o desembargador Darlan, que desafiou os insatisfeitos com seu ato a reclamarem ao presidente do STJ. “O quadro mostra um operário sendo morto na cruz de seu dia a dia pela violência de uma política pública que declarou guerra aos pobres”, comentou.

Um amigo do desembargador resolveu provocá-lo numa rede social: “Se o quadro retratasse a idêntica figura de um cidadão na cruz e, abaixo, um magistrado recebendo suposta propina pela venda de sentença absolutória em favor do culpado, ainda seria, tão somente, uma obra de arte?”, perguntou, ao que Darlan respondeu. “Evidente que sim, pois uma obra de arte é sempre uma mensagem a ser apreciada e interpretada, logo uma manifestação de livre pensamento constitucional do autor”.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.