Cartas de Neruda são publicadas no Chile

As ardentes cartas que o poeta chileno Pablo Neruda escreveu aos 18 anos ao seu amor de juventude, Albertina Azócar, foram editadas no Chile no livro ?Pablo Neruda, Cartas e Poemas?. As poesias, que ficaram guardadas por mais de 60 anos por Albertina foram reproduzidas em uma edição de luxo e serão apresentadas na próxima terça-feira em das casas do poeta em Santiago do Chile, A Chascona. As cartas revelam a sensibilidade do poeta, do homem apaixonado e atormentado pela ausência do ser amado. Segundo o escritor Darío Oses, o material dá origem a um dos livros clássicos da lírica amorosa contemporânea, classificado de ?20 Poemas de Amor e uma Canção Desesperada?. Neruda e Albertina Azócar se conheceram no Instituto Pedagógico, em Santiago. Ela era irmã do também poeta Rubén Azócar, um dos amigos de Neruda. Em 1983, dez anos após a morte de Neruda, Albertina, então com 81 anos, confessou que tinha as cartas do poeta chileno. ?Nas cartas, ele se queixava de que eu não lhe escrevia, mas eu era assim. Eu lhe escrevia pouco porque nossa troca de correspondência era muito difícil?, recorda ela. ?Tinha que retirar as cartas do correio as escondidas e também tinha que me esconder para poder responde-las. Na minha casa era terrível essa questão. Nossa relação durou um ano e meio. Teria me casado com ele, mas decidi voltar a Concepción?, contou ela na ocasião. Nas cartas, Neruda pedia desesperadamente a moça em casamento. Antes de partir como cônsul para a Índia, em 1927, Neruda pediu que ela devolvesse as cartas. Mais tarde, ele escreveu: ?Tu sabes que estou casado desde dezembro de 1931. A saudade que tu não quis remediar se tornou mais e mais insuportável para mim?, lamentou-se o poeta. Albertina Azócar se casou com o poeta Angel Cruchaga e morreu em 1989, 16 anos depois de Neruda.

Agencia Estado,

18 de janeiro de 2001 | 01h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.