´Carreiras´ traz vida de jornalista virada do avesso

Estréia comédia dramática premiada em Gramado e feita com baixo orçamento

Agencia Estado

07 Junho 2025 | 16h20

A comédia dramática Carreiras, vencedora do prêmio de melhor atriz no Festival de Gramado de 2005, conta a história de uma jornalista veterana que é rebaixada a um posto secundário, substituída por uma profissional bem mais jovem e inexperiente. O filme só conseguiu chegar às telas agora, quase dois anos depois. Desafiando um preconceito, o diretor carioca Domingos de Oliveira lançou o filme simultaneamente esta semana na televisão, com duas exibições no Canal Brasil. Nos cinemas, o filme será exibido a partir desta sexta-feira, com projeção digital, em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Goiânia. A estréia permite que Oliveira, veterano diretor de teatro e cinema, premiado por filmes como Amores (1998) e Todas as Mulheres do Mundo (1967), retome o movimento bem-humorado que iniciou há dois anos em Gramado - "Baixo Orçamento e Alto Astral", que ele resume na sigla BOAA. Baixo orçamento O filme economizou em tudo, apostando que a criatividade do roteiro dê conta do recado junto ao público. Foi feito com orçamento escasso - segundo o realizador, apenas R$ 35 mil -, cooperação de amigos, usando o próprio apartamento como locação e com tecnologia digital. Baseando-se em um monólogo do próprio Oliveira, acompanha-se um dia na vida de Ana Laura, papel de Priscilla Rozenbaum, mulher do diretor, que interpretou a personagem no teatro. Indignada com o novo posto no trabalho, Ana passa horas ao telefone, protestando com seus superiores e desabafando com amigos, em busca de mudar a situação. Ao mesmo tempo, bebe litros de uísque e consome algumas porções de cocaína - fornecendo o duplo sentido ao título. O talento de Priscilla, atriz habitual nos trabalhos do diretor, permite que o filme, num formato tão fechado, funcione e não canse. Ela altera emoções, humores, passando da raiva à compaixão, do humor à agressividade, com tanta ironia e verdade que sempre se mostra cativante. Simplicidade ´aparente´ Carreiras conta ainda com algumas cenas externas, a melhor delas mostrando a protagonista gritando diante de um prédio de madrugada, despertando as mais diversas reações dos moradores, que dormiam. Outra boa cena é a inicial, que reúne Priscilla, Domingos e um pequeno grupo de atores - a maioria deles, rostos habituais nos filmes dele - discutindo de maneira bem-humorada as semelhanças e diferenças entre o cinema e o teatro. Tal tema está por trás do próprio filme, prestes a começar, e de todo o trabalho do próprio diretor. Esta seqüência revela por si só o quanto a simplicidade na fórmula do diretor é apenas aparente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.