Carreira solo

Evento para 700 mil pessoas atrai interesses de outros países e ganha vida própria

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2011 | 00h00

Antes de 1985, se um cabeludo qualquer apostasse que um festival de rock nos cafundós da zona oeste do Rio, à época ainda rural, levaria 1,3 milhão de pessoas a chafurdar na lama, e que elas ainda sairiam dali dizendo que aquela havia sido a melhor noite de suas vidas, ninguém lhe daria crédito. Nove edições depois - seis na Europa - e um público total calculado em 5 milhões de pessoas, a Cidade do Rock está de volta à cidade do samba.

O Rock in Rio é sobretudo amparado pela prefeitura, que mira nos ganhos que um festival que se autoproclama o maior do mundo é capaz de trazer. O saldo com turismo está estimado em US$ 400 milhões. O Parque Olímpico Cidade do Rock, o antigo matagal de 150 mil m² em frente à antiga Cidade, de 1985 e de 2001, recebeu um investimento de R$ 37 milhões em dinheiro público, para ser utilizado também em 2016 durante os Jogos Olímpicos.

A venda-relâmpago de quase 700 mil ingressos (a R$ 190, sendo 70% adquiridos por estudantes pela metade do preço), a taxa de ocupação de hotéis (quase 100% na Barra), as mobilizações nas redes sociais (inclusive de arrependidos, que diante do anúncio de atrações já vistas por aqui, como Guns N"Roses, Metallica e Red Hot Chilli Peppers, chegaram a endossar a campanha "Eu Não Vou") - tudo parece reafirmar o propalado apelo que vem junto com a marca.

Para quem ainda se permite mudar de ideia, a solução (ok, não vamos falar de cambistas) é recorrer ao www.tamviagens.com.br/rockinrio, que vende pacotes com preços variando entre R$ 499 a R$ 4.339, incluindo aí passagem, ingresso e hotel.

Rock in mundo. Os pedidos de países que querem sediar o festival também servem de termômetro. Coreia, Sérvia, China, Grécia, Inglaterra, Austrália e México podem enviar "olheiros". "Recebemos muitos pedidos, mas não é qualquer mercado que suporta investimentos dessas dimensões", diz Roberta Medina, a vice-presidente, referindo-se à cifra de R$ 95 milhões investida por patrocinadores e pelo próprio festival. "Vamos chegar a ter três países por ano. Até 2015, além de Portugal e Espanha, serão mais dois. No Rio, 2013 e 2015 estão super garantidos."

Três notas

2013 é o próximo ano do Rock in Rio em sua cidade original

14 horas por dia de música (rock, pop, axé, eletrônica)

40 atrações estarão no palco principal, que abre às 19h

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.