Carolina Ferraz estréia monólogo em SP

A atriz Carolina Ferraz conseguiureunir um time de primeira na produção do monólogo Selvagemcomo o Vento, que estréia amanhã no Teatro Alfa depois decumprir temporada no Rio. A montagem foi dirigida por DeniseStoklos e Hugo Rodas e tem cenário e iluminação de Gianni Ratto.Em sua primeira direção fora de seu prestigiado Teatro Essencial. Denise investe no primeiro texto de Tereza Freire, atriz que foi sua assistente em Vozes Dissonantes."É uma peça sobre a perda, mas também sobre comunhão eredenção. É sobre uma mulher que acabou de se separar e faz umaprofunda investigação sobre o amor. Uma história simples euniversal. Uma situação que todo mundo já viveu", afirma aautora. "Carolina é minha amiga de infância e escrevi pensandonela, num tipo de humor que ela tem."Foi esse humor que conquistou a diretora. Carolina leu otexto diante de Denise por insistência da autora. "Eu fiz umaleitura do texto e ela gostou bastante, principalmente do humorque veio à tona", conta a atriz. Ela ressalta que suapersonagem não tem idade, religião ou classe social definida."A peça é sobre uma ruptura. Qualquer um de nós já passou porisso na vida." Segundo ela, uma entre as muitas e preciosascontribuições de Denise foi a de imprimir maior transcendênciaao tema. "Tem gente que sofre e morre amargurado. Em suaconcepção, Denise reforçou a superação da perda, a idéia depassagem", diz a atriz."Eu recebo muitos convites para dirigir, alguns beminteressantes. Sempre avalio, mas por diversos motivos acabo nãoencontrando uma conexão com o meu modo de trabalhar", dizDenise. "Desta vez, o que aconteceu foi que adorei a leitura daCarolina. Fiquei entusiasmada. Descobri ali uma capacidadecriativa muito forte, uma performer muito interessante."Denise ressalta a generosidade da autora que não impediuos múltiplos cortes no texto. "A gente usou e abusou do direitode fazer do texto um pretexto. Era importante ampliar o sentidodessa perda. Do jeito que trabalhamos, a platéia podeidentificar ali a perda de um emprego, de qualquer relaçãoafetiva, até mesmo a passagem provocada pela mudança de umacidade para outra", argumenta a diretora. Ela havia convidado ocoreógrafo Hugo Rodas para prestar uma contribuição. "Eleacabou fazendo marcações e realizando efetivamente umaco-direção."Selvagem como o Vento. De Tereza Freire. Concepção e direção Denise Stoklos e Hugo Rodas. Duração: 1 hora. Sexta e sábado, às 21 horas; domingo, às 18 horas. R$ 30,00. Teatro Alfa. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. 5693-4000. Até 18/8.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.