Carnavalesco explora merchandising

Está quase tudo pronto: tema definido, samba-enredo composto, fantasias costuradas, carros alegóricos e destaques em fase final de produção. Falta apenas patrocínio para que o designer e carnavalesco Orlando Midaglia realize, na escola de samba Morro da Casa Verde, do grupo especial, o carnaval de seus sonhos: futurista, com alegorias de extraterrestres, carros em forma de naves espaciais e efeitos especiais.Com o tema O Maior Sonho do Universo: Extraterrestres no Carnaval de São Paulo, Midaglia diz que pretende apresentar na avenida um desfile digno de seu know-how de designer. "Gente pelada é obra de Deus, eu quero mostrar o meu trabalho", diz ele, que já produziu um desfile, em 98, para a Mocidade Alegre, no Rio de Janeiro, em que o designer gráfico Hans Donner era o homenageado. Midaglia também faz, há 20 anos, cenários para programas de televisão - tem no currículo passagens pelo Jornal da Band e pelo Jornal Nacional.Como retorno, as empresas que patrocinarem o "desfile futurista" poderão ter suas logomarcas estampadas em diversos produtos, como camisetas distribuídas para imprensa e para o público, bonés, leques com a letra do samba e instrumentos da bateria.Mas a inovação está na possível adaptação de carros e alegorias para a inclusão do logotipo do patrocinador. "Se, por exemplo, a empresa for de talheres, posso colocar garfos e facas futuristas nas fantasias", explica o carnavalesco. Outra possibilidade é o anúncio em banners no site que está sendo criado para a divulgação do desfile da Casa Verde.Entre os projetos de Midaglia, estão ainda o de um vídeo, mostrando todo a preparação para o desfile, e uma exposição de fotos sobre o Carnaval. Ambos terão a produção artística do cineasta Nilson Accioli. O carnavalesco também tem o sonho de produzir mais alguns desfiles, escrever um livro sobre a arte na avenida. Os interessados nos projetos podem ligar para 11-3862 2169. "Nunca me interessei muito, mas em 98 fui mordido pelo bichinho do Carnaval e hoje estou completamente contagiado", diz Midaglia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.