Carlos Josaphat, o frade que incendiou a esquerda

O bispo d. Pedro Casaldáligadedicou um poema; o cardeal d. Paulo Evaristo Arns fez a orelha;o crítico literário Antonio Candido mandou uma resenha; teólogos, políticos, sociólogos e economistas produziram ensaios e umaequipe multimídia gravou entrevistas. Quase tudo inédito eexclusivo, as 565 páginas de Utopia Urgente reúnem, entrefotos e ilustrações, os textos que 37 amigos e companheirosescreveram em homenagem aos 80 anos de frei Carlos Josaphat, odominicano que incendiou a esquerda brasileira com seu livroEvangelho e Revolução Social, na véspera do golpe militar de1964. O lançamento é amanhã, às 20 horas, na Igreja de SãoDomingos, em Perdizes, zona oeste de São Paulo, precedido de umamissa, às 18h30.Na esteira desse livro e dos sermões que pregava noconvento das Perdizes, em São Paulo, o frade fundou o semanárioBrasil Urgente, porta-voz da premente utopia que só agora,quatro décadas depois, ele vê se tornar realidade. "Aquilo comque a gente sonhava nos anos 60 - realizar uma verdadeirarevolução social de inspiração humanística - e que é umimperativo evangélico, está de volta", disse frei CarlosJosaphat em depoimento gravado já para a comemoração de seuaniversário, mas meses antes da eleição de Lula para presidenteda República.Lançado em março de 1963, com apoio da JuventudeUniversitária Católica (JUC) e da Ação Popular (AP), o jornaldurou até 1.º de abril do ano seguinte, quando foi fechado pelosmilitares. "Fascistas preparam golpe contra Jango!", dizia amanchete de sua última edição, a de número 55, publicada quandoo fundador iniciava um exílio de 30 anos na França, de onde setransferiu para a Suíça, por ordem do Vaticano, atendendo apressões do núncio apostólico em Brasília. "Fora padre comuna", protestava uma pixação anônima na porta principal da Igreja deSão Domingos, onde o frei Carlos Josaphat superlotava missas comsuas homilias.Os textos de Utopia Urgente tratam, por encomenda epor afinidade ideológica, de temas caros ao frade - ética,política, economia, questões sociais, revolução eespiritualidade - na linha da doutrina de Santo Tomás de Aquinona teologia e do exemplo pioneiro de Bartolomeu de las Casas, nadefesa dos índios durante a colonização espanhola. À homenagemdos intelectuais brasileiros - e de estrangeiros que, como opadre José Comblin e frei João Xerri, optaram pelo Brasil -alinham-se amigos e colegas de cátedra da universidade suíça deFriburgo, atendendo todos à convocação de Frei Betto, AdéliaBezerra de Meneses e Thomaz Jensen, organizadores da obra.Ensaios densos, análises competentes, testemunhos dereconhecimento e admiração, os textos desses colaboradoresselecionados a dedo, pelo critério de sua ligação com freiCarlos Josaphat, constituem preciosa contribuição para a análisedo pensamento católico, à luz dos ensinamentos de João XXIII, opapa do Concílio Vaticano II. Radical na pregação da justiça erevolucionário na abordagem da questão social, o fradedominicano permeia todas essas páginas, mesmo quando os autoresmal citam seu nome. Nem precisaria haver referência explícita,pois a identidade de temas e idéias não dá margem a dúvidas.A entrevista sobre Brasil Urgente é um capítulo àparte. Falando a Adélia Bezerra de Meneses, Melchíades Cunha Jr., Thomaz Jensen e Waldecy Tenório, frei Carlos Josaphat resgatanão apenas a história do jornal, mas todo o contexto político esocial dos anos 60, sob a perspectiva da esquerda católica, aíincluindo, naturalmente, a ala progressista da Igreja quelevaria à efervescência da teologia da libertação. Um portfóliode oito páginas reproduz as capas mais ousadas do semanário, daafirmação de que "remédios matam o Brasil" ao já citadoanúncio de que se preparava um golpe contra Jango."José Serra, 20, deu uma lição de moral na CPI!",informava outra manchete, ao relatar o depoimento do entãopresidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). Fome, miséria, reforma agrária, liberalismo econômico e participação dospadres na política eram assuntos de primeira página. BrasilUrgente, que contava com a colaboração de militantes cristãoscomo Franco Montoro e Plínio de Arruda Sampaio, dava coberturaao movimento do educador Paulo Freire e apoiava, com reservas,as Ligas Camponesas de Francisco Julião.Utopia Urgente - Escritos em Homenagem a Frei CarlosJosaphat nos seus 80 Anos. Organizado por Frei Betto, AdéliaBezerra de Meneses e Thomaz Jensen. Editora Casa Amarela/Educ.565 páginas. R$ 40,00 (preço de lançamento). Amanhã (09), às18h30 missa; e às 20 horas noite de autógrafos. Informações3819-0130. Igreja de São Domingos. Rua Caiubi, 126.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.