Carlito Carvalhosa expõe suas pinturas espelhadas

Depois de quase dez anos sem exporpinturas, Carlito Carvalhosa retorna ao trabalho bidimensionalnuma série de trabalhos que expõe hoje à noite noGabinete de Arte Raquel Arnaud. Não se iludam no entanto os maissaudosistas: o artista não se rendeu ao embate direto da tintana tela, à questão da gestualidade. Carvalhosa continua - como,aliás, uma parcela importante dos artistas brasileiros de suageração - a buscar associações estranhas entre materiais, atravar uma batalha de contenção da matéria dentro dedeterminadas regras que cria para si mesmo. No caso da atual exposição, há um evidente diálogo entrea enorme escultura em gesso - com uma leveza e imprevisibilidadeimpressionantes para uma peça que pesa cerca de 15 mil quilos -,que ocupa o centro da galeria como um divisor de águas e ostrabalhos de parede, propositalmente colocados fora do alcancedos nossos olhos - e do nosso reflexo. O trabalho e o ambienteexistem a despeito de nós. A primeira e mais evidente relação é o uso do mesmomaterial (gesso). Mas as reverberações vão além. Estão nacriação de um cenário em que as formas tortuosas, a inexistênciade pontos seguros de referência criam um ambiente ao mesmo temposedutor e assustador. O espelho, material vaidoso, já é um elemento queprovoca atração e repulsa. A idéia de pintar sobre umasuperfície espelhada tira qualquer possibilidade de índice dereferência da pintura. As formas orgânicas indefinidas e asestranhas cores adotadas por Carvalhosa só fazem reforçar o queele define por "estatuto meio instável da pintura".Serviço - Carlito Carvalhosa. De segunda a sexta, das 10 às 19horas; sábado, das 11 às 14 horas. Gabinete de Arte RaquelArnaud. Rua Arthur de Azevedo, 401, tel. 3083-6322. Até 16/1.Abertura hoje, às 20 horas

Agencia Estado,

27 de novembro de 2003 | 14h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.