Carla Ribas, uma Alice impecável

O Mistério Da Libélula

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2012 | 03h09

15H35 NA GLOBO

(Dragonfly). EUA, 2002. Direção de Tom Shadyac, com Kevin Costner, Kathy Bates, Joe Morton, Ron Rifkin, Linda Hunt, Susana Thompson.

Kevin Costner entra na onda espírita e faz médico viúvo que acha que a mulher morta está tentando se comunicar com ele. O herói é perseguido por libélulas. No hospital, pacientes que viveram a experiência da vida após a morte fazem relatos que o perturbam. Pode ser que o filme não seja bom, mas a jornada espiritual - e até física - do protagonista é algo que vale a pena seguir. Reprise, colorido, 104 min.

Amor em Chamas

22H NA REDE BRASIL

(Breaking Up). EUA, 1997. Direção de Robert Greenwald, com Russell Crowe, Salma Hayek.

Comédia romântica do começo da carreira de Russell Crowe. Salma Hayek e ele namoram firme há dois anos, mas brigam, ela vai embora. Crowe a convence de que devem se casar e o problema é que o compromisso muda tudo. Como fazer o casamento funcionar? Salma casou-se com um bilionário francês, o homem supostamente mais rico do mundo. Tem filmado pouco, mas vem aí como a 'madrinha', a traficante-mór do novo filme de Oliver Stone, Os Selvagens. Você não perde por esperar. Reprise, colorido, 86 min.

12 Rounds

22H15 NA GLOBO

(12 Rounds). EUA, 2009. Direção de Renny Harlin, com John Cena, Aidan Gillen, Aschley Scott, Steve Harris, Brian White, Gonzalo Menendez.

Policial de New Orleans prende assaltante, o cara vai parar na cadeia e, durante o período em que fica confinado, sua mulher morre. Louco de ódio, ele foge, sequestra a mulher do policial e arma plano contendo 12 tarefas que o outro terá de executar, como os trabalhos de Hércules, para que ela não seja morta. Parece interessante e o diretor Harlan, apesar dos altos e baixos de sua carreira - seus maiores fracassos de público foram filmes que ele fez para a ex-mulher Geena Davis -, não é de jogar fora. Veja, porque, por meio dessa história de homens que arriscam tudo por mulheres, ele pode estar querendo dizer alguma coisa. Inédito, colorido, 108 min.

A Casa de Alice

2H20 NA GLOBO

Brasil, 2007. Direção de Chico Teixeira, com Carla Ribas, Vinicius Zinn, Ricardo Vilaça, Felipe Massuia, Berta Zemel, Zecarlos Machado

Carla Ribas ganhou alguns dos principais prêmios de interpretação do ano e ela é realmente forte como a manicure que vive a rotina de opressão conhecida de tantas brasileiras, e não apenas as suburbanas - o marido é infiel, os filhos a exploram. Berta Zemel, como a mão de Alice (Carla), tudo sabe, tudo vê. Bom filme. Reprise, colorido, 92 min.

187: O Código

2H30 NA REDE BRASIL

(one eight seven). EUA, 1997. Direção de Kevin Reynolds, com Samuel L. Jackson, John Heard, Kelly Rowan, Clifton Gonzalez.

O número do título se refere ao Código Penal da Califórnia e o filme trata de professor que foi esfaqueado por alunos e transferido para escola mais barra pesada ainda. Estudantes, líderes de gangues, aparecem mortos, ele vira suspeito. A trajetória do diretor Reynolds é curiosa - ele fez grandes filmes (Fera da Guerra), grandes sucessos de bilheteria (o Robin Hood de Kevin Costner), mas o super fracasso de Waterworld derrubou a carreira de Costner e a do diretor. Ele tentou recomeçar com filmes pequenos como este. O cinema contou muitas histórias de professores que põem nos eixos alunos baderneiros. Aqui, o que faz a diferença é o elenco, e não apenas Samuel L. Jackson. Reprise, colorido, 96 min.

TV Paga

Cinco Vezes Favela

9H50 NO CANAL BRASIL

Brasil, 1962. Direção de Marcos Farias, Miguel Borges, Cacá Diegues, Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman.

Produzido pelo CPC, o Centro Popular de Cultura da UNE, União Nacional de Estudantes, este filme em episódios virou o emblema da ideologização da época, além de ser uma das obras definidoras do Cinema Novo. Embora irregulares, as histórias, cada uma à sua maneira, têm valor de manifesto estético e político. As melhores são Couro de Gato e Pedreira de São Diogo, de Joaquim Pedro e Leon Hirszman, mas preste atenção também em Escola de Samba Alegria de Viver, o primeiro Cacá Diegues (que ajudou a produzir a nova versão, em 2010, agora pelos próprios favelados). Reprise, preto e branco, 100 min.

Amanhecer Violento

1H10 NO TCM

(Rede Dawn). EUA, 1984. Direção de John Milius, com Patrick Swayze, C. Thomas Howell, Lea Thompson .

Um dos filmes mais desconcertantes dos anos 1980. Jovens formam rede de resistência para enfrentar os russos e cubanos que estão invadindo os EUA. A crítica de esquerda caiu matando no cartaz da TV paga, vendo nele apenas mais uma manifestação do revanchismo da 'América' de Ronald Reagan, nos anos de Rambo e Rocky. Mas isso é ignorar a personalidade do diretor e roteirista Miulius. Nacionalista - no estilo do japonês Mishima - e atraído por conceitos como 'pátria', 'dignidade' e 'honra', ele coloca em discussão o próprio conceito de heroísmo. Reprise, colorido, 114 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.