Carla Bruni: das passarelas ao Palácio do Eliseu

A cantora e ex-supermodelo italiana CarlaBruni levará uma dose de glamour ao Palácio do Eliseu se seusurpreendente romance com o presidente Nicolas Sarkozy terminarem casamento. Estrela da passarela que converteu-se em cantora de vozrouca, Bruni, herdeira de uma rica dinastia de industriaisitalianos, personifica um universo de glamour culto que estámuito distante do mundo do outsider ambicioso que conquistou apresidência francesa no ano passado. Sua indiferença aristocrática às convenções burguesas eseus relacionamentos com roqueiros e intelectuais tambémparecem indicar que ela se enquadraria bem na elite culturalparisiense que se presume normalmente que Sarkozy despreze. O presidente, ex-advogado e representante da "França queacorda cedo", tem pouco interesse conhecido pelas artes,excetuando sua amizade com o roqueiro francês Johnny Hallyday.Ele declarou certa vez: "Não sou intelectual." Mas não havia dúvida quanto a seus sentimentos quando ele eBruni passearam pelas pirâmides egípcias de mãos dadas ou sedivertiram juntos numa praia do Egito no mês passado. "É sério", disse Sarkozy, 52 anos, à imprensa, mas provocouespeculações febris quanto a uma possível data do casamentoquando acrescentou: "É bem provável que vocês tomemconhecimento disso quando já tiver acontecido." A morena, alta e esbelta Carla Bruni, 40 anos, tem umacerta semelhança física com a segunda mulher de Sarkozy,Cecilia, que não fez segredo de sua aversão pelo papel deprimeira-dama e passava pouco tempo no Palácio do Eliseu. Mas, se chegar a ser primeira-dama, Bruni inaugurará um tomtotalmente distinto do de Bernadette Chirac, a temível esposado ex-presidente Jacques Chirac, cujo estilo erainconfundivelmente o de uma "grande dama" da burguesia francesaantiquada. "DEVORADORA DE HOMENS" Uma diferença significativa talvez seja a atitude de CarlaBruni em relação ao casamento. "A monogamia me entedia loucamente," disse ela no anopassado ao Figaro Madame. "Sou monógama de tempos em tempos,mas prefiro a poligamia e a poliandria." Bruni já teve ligações românticas com vários homensfamosos, desde os roqueiros Eric Clapton e Mick Jagger até omagnata imobiliário Donald Trump e o ex-primeiro-ministrosocialista francês Laurent Fabius. Filha de um músico e pianista concertista que herdou umaempresa de pneus, Bruni cresceu na França depois de sua famíliadeixar a Itália, na década de 1970, devido à ameaça desequestro pelas Brigadas Vermelhas, de extrema esquerda. Ela se tornou modelo ainda adolescente e, nos anos 1990,entrou para o grupo de elite das supermodelos como ClaudiaSchiffer e Naomi Campbell, antes de surpreender, em 2003, aofazer sucesso com um disco de baladas melódicas e literáriasque vendeu 2 milhões de cópias. Ela foi apresentada a Sarkozy num jantar promovido peloexecutivo de relações públicas Jacques Seguela, semanas apenasdepois de o presidente se divorciar de Cecilia, em outubropassado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.