Cantora Céu mostra maturidade em seu 3º álbum

Depois de ver o mundo, voltar é estranho. O bichinho da estrada picou Céu e, agora, não existe mais volta. Mudou, amadureceu, melhorou. Viveu em movimento, num cotidiano constantemente itinerante, experimentando emoções contraditórias. Horários confusos, pessoas novas, saudade, solidão - mesmo entre muitos. A Céu de hoje lembra pouco, ou quase nada, a Maria do Céu Poças que despontou em 2005, com seu primeiro disco, "Céu". Aos 31 anos, ela tem uma filha com o músico e produtor Gui Amabis, a Rosa, de 3. A vida mudou. Novos discos e parcerias vieram.

AE, Agência Estado

15 de fevereiro de 2012 | 11h31

Céu chega ao "Caravana Sereia Bloom", terceiro álbum, lançado pela Urban Jungle e Universal Music, acompanhada por um dream team da efervescente cena paulistana. É a sua caravana, a sua banda, o seu bonde. Com eles, viajou o mundo nesses últimos seis anos. A cozinha, no disco, é a mesma: Bruno (bateria), Marcos Lucas Martins (baixo) e Dustan Gallas (guitarra). Mas cresceu com a adição de Gui Amabis, que produziu com a cantora, além de ser uma espécie (boa) de faz-tudo, tocando vibrafone, teclados, programadores, guitarra, baixo. Pupillo, baterista da Nação Zumbi, toca bateria em cinco faixas. Curimin assume as baquetas uma vez. Isso além de Dengue, baixista também da Nação, e do saxofonista Thiago França (de Marginals, Metá Metá e atualmente tocando com Criolo). "Incluo todo mundo na minha caravana", diz ela, com voz doce, de menina. "É um disco que fala da estrada, de encontros, desencontros, os causos, circos."

A princípio, o trabalho se chamaria "Estudos da Estrada", nome de uma pasta no computador de Céu em que ela guardava os rascunhos do sucessor de "Vagarosa", álbum elogiado de 2008. Mas o tom burocrático não combinava com o trabalho que traz toda a euforia e melancolia de cair na estrada. As músicas "Sereia" e "Street Bloom" ajudaram a compor o nome do disco. Pronto, estava batizado: "Caravana Sereia Bloom".

A representação imagética do disco veio antes do seu lançamento, dia 2 de fevereiro, com o clipe da psicodélica "Retrovisor", gravado nos arredores de Vila Velha, na ilha de Itamaracá (Pernambuco), com a direção de Renan Costa Lima e Ivo Lopes Araújo. Enquanto Céu, grávida, levou um ano e meio para gravar "Vagarosa", o "Caravana" foi levado em um mês. "Três semanas para gravar os instrumento e uma para a voz", diz. "Não tinha tempo para ficar amando e ouvindo cada gravação. Era rápido."

Após os shows de lançamento no Sesc Vila Mariana, nos dias 10 e 11 de março, a cantora parte para uma turnê internacional: França, Alemanha, Suíça, República Tcheca e Inglaterra, Estados Unidos e Canadá. A filha Rosa acompanha quando dá. É para ela a canção "Sereia". "Brinco com ela, quando dou banho e ela até canta." A Céu de hoje é várias em uma: cantora, compositora, musicista e mãe. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaCéuCaravana Sereia Bloom

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.