Cantar na discoteca do Estadão

Quando Gal inspirava ousadia fazia discos como Cantar, de 1974, penúltimo título da série Grande Discoteca Brasileira Estadão, que estará nas bancas amanhã com a edição do jornal. João Donato e Perinho, "duas personalidades musicais contrastantes", conforme disse Caetano, assinam os arranjos. Há clássicos como Barato Total e A Rã, além de outras canções de Caetano (Joia, Lua, Lua, Lua, Lua) e Donato (Flor de Maracujá, Até Quem Sabe).

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2011 | 00h00

Segundo Caetano disse a Ricardo Moreira, que assina o texto do encarte, "tudo foi feito para o canto de Gal aparecer com naturalidade". Ele lembra que "até Nelson Motta, que falava bem de tudo, falou mal." No entanto, o tempo se encarregou de situar o álbum entre os mais importantes da cantora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.