Cannes começa amanhã com Brasil como homenageado

Walter Salles está desde sábado em Paris. Embora consumido pela gripe, o diretor fez questão de se antecipar para revisar a cópia de "Na Estrada" (On the Road). Ele faz questão de que sua adaptação do livro mítico de Jack Kerouac seja projetada em película no maior festival do mundo. Sábado era a data limite para eventuais correções de luz e som, de forma que "On the Road" esteja nos trinques para sua soirée de gala, às 19 horas do dia 23. Neste dia, "On the Road" estará estreando na França. Em junho, será a vez do Brasil e os lançamentos vão pipocar ao redor do mundo, até dezembro nos EUA.

AE, Agência Estado

15 de maio de 2012 | 10h08

"On the Road" é filme para Oscar? Para a Palma de Ouro? Walter Salles prefere não acumular expectativas exageradas. O filme que consumiu oito anos de sua vida e o levou a percorrer cerca de 100 mil km de estrada ainda é muito recente para que ele possa falar com distanciamento. "Somente agora estou me distanciando de Central do Brasil", ele brinca.

Seu novo filme é uma das atrações anunciadas do 65.º Festival de Cannes, que começa nesta quarta-feira. Luz, câmera, ação - a Croisette, como todo ano, volta a ser a maior vitrine de cinema do mundo. O longa que inaugura o tapete vermelho de 2012 é de um autor com fama de excêntrico, Wes Anderson. Em "Moonrise Kingdom", ele conta a história de um casal jovem que foge para viver seu grande amor. Ocorre que, na repressora ''América'' do começo dos anos 1960, uma garota de boa família não poderia fazer isso. Cria-se a ideia de que ambos foram sequestrados e a cidade toda inicia uma louca perseguição.

O casal de Wes Anderson é formado por dois novatos, Jared Gilman e Kara Hayward, mas de resto o elenco é cheio de caras conhecidas do público - Bruce Willis, Bill Murray, Frances McDormand, Edward Norton, Jason Schwarztzman, Tilda Swinton e Harvey Keitel. O festival, portanto, inicia-se sob o signo de um mundo em transe e numa época de transformações, os míticos anos 60, que levaram a Maio de 68, o ano que não termina nunca.

Na sequência de "Moonrise Kingdom", Cannes/2012 mostra uma seleção de deixar cinéfilo babando - os novos filmes de Alain Resnais, David Cronenberg, Michael Haneke, Ken Loach, Abbas Kiarostami, Jacques Audiard, Sergei Loznitsa, Carlos Reygadas, Thomas Vinterberg, Jeff Nichols, Christian Mungiu, IM Sang-soo e, claro, Walter Salles. O brasileiro concorre com uma coprodução franco-americana, falada em inglês. O júri é presidido por Nanni Moretti, que já foi a pedra no meio do caminho de Salles quando ele concorreu em Veneza com "Abril Despedaçado". O filme não ganhou nada, mas isso não quer dizer nada. Cada ano, cada júri, cada seleção encerram os próprios desafios e possibilidades. Moretti, que agora preside o júri, concorreu no ano passado com "Habemus Papam" - e nada levou.

O festival homenageia o Brasil, por meio de uma seleção organizada por Hilda Santiago, do Festival do Rio, e que inclui "A Música Segundo Tom Jobim", de Nelson Pereira dos Santos. Música, cinema e caipirinha, para fazer a festa brasileira em Cannes. E Cannes Classics, o altar dos cinéfilos, anuncia versões restauradas de "Era Uma Vez na América", de Sérgio Leone, com 25 minutos a mais de duração; "Lawrence da Arábia", comemorando os 50 anos do clássico de David Lean; "Tess", de Roman Polanski, em presença do diretor e de sua estrela, Nastassia Kinski. Só por isso, o cinéfilo, como devoto, deveria fazer o caminho da Croisette de joelhos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaCannes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.