Candidato a vice quer "limpar" Hollywood

Os dias de sexo e violência em Hollywood podem ficar para trás. Pelo menos este é o plano de Joseph Lieberman, que vai concorrer à vice-presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata, na chapa de Al Gore. Um dos maiores críticos da "decadência do entretenimento", ele tem disparado comentários contra estúdios de cinema e emissoras de televisão, ao mesmo tempo em que Bill Clinton participa de eventos lotados de celebridades para levantar dinheiro para seus projetos.Lieberman, que chamou atenção no país ao ser convidado para a vaga por ser o primeiro judeu a disputar a posição, acha que a situação está grave. "Muito do que eles fazem não é bom para as crianças e para a cultura", disparou ele em uma entrevista à rede ABC, uma subsidiária da Disney, um dos alvos do político. "Se as empresas não resolverem mudar espontaneamente, teremos de tomar medidas legais contra isto", ameaçou ele.Em comentários para lá de conservadores para uma indústria que glorifica programas como South Park e artistas como Eminem, ele disse que há "muito sexo, muita violência e muita falta de civilidade na indústria". "Eu adoro o cinema, adoro a música, mas está ficando difícil para os pais darem valores e disciplinas para seus filhos."No ano passado, Lieberman havia feito um dramático "apelo a Hollywood", enviando um pedido a Michael Eisner, da Disney, Gerald Levin, da Time Warner, e Rupert Murdoch, da News Corporation (dona da Fox), exigindo mudanças na "cultura tóxica da violência e na vulgaridade que rodeia nossas crianças". Ele chegou a sugerir que a Federal Communications Comission suspenda a licença de estações que não mostrem mudanças. Ele deve voltar a se pronunciar sobre o assunto na quinta-feira, quando vai ser oficialmente apontado como candidato, no ponto alto da convenção do partido, realizada no Staples Center, em Los Angeles.Enquanto Lieberman chacoalha o relacionamento dos democratas com as celebridades, o presidente faz o caminho inverso. Ele tem participado de uma série de eventos lotados de estrelas para levantar fundos para a biblioteca presidencial, enquanto Hillary Clinton tenta arrumar dinheiro para sua corrida ao senado pelo Estado de Nova York.No sábado, por exemplo, Brad Pitt e Jennifer Aniston, Whoopi Goldberg, Shirley MacLaine e David Hasselhoff foram alguns dos nomes que apareceram em uma festa dos Clinton em Hollywood para arrecadar fundos para a campanha da primeira-dama ao senado. Barbra Streisand, por sua vez, organizou um brunch no domingo com o objetivo de angariar US$ 10 milhões para a biblioteca com o nome do presidente, que vai ser construída na cidade de Little Rock, no estado de Arkansas.Se os democratas ganharem a eleição, pode ser realmente o fim do caso de amor entre o partido e a comunidade de Hollywood. "Posso garantir que a administração Gore-Lieberman vai estar preocupada com o que o governo pode fazer, dentro dos limites da Constituição, para melhorar o futuro moral dos Estados Unidos", diz o senador. Resta saber se o financiamento das celebridades não vai fazer falta para a campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.