Canal Brasil lembra os 15 anos da morte de Lílian Lemmertz

A atriz Lílian Lemmertz será a homenageada desta semana pelo Retratos Brasileiros, que o Canal Brasil (Net/Sky) exibe no dia 6 de junho, às 23h30. O motivo da homenagem são os 15 anos de morte da atriz, que teve um infarto aos 48 anos de idade. O especial, que será apresentado por sua filha Júlia Lemmertz (a Genésia, de Porto dos Milagres), trará uma biografia da musa do cinema brasileiro. Logo em seguida, o canal abre um ciclo de filmes protagonizados pela atriz.O especial sobre Lílian, que nasceu em Porto Alegre (RS), em 1938, conta com depoimentos de amigos e colegas de trabalho, como o novelista Manoel Carlos, os atores Walmor Chagas, Ney Latorraca e Eva Wilma, os diretores Walter Hugo Khouri, Rogério Sganzerla e Eduardo Escorel, e o ator Linneu Dias, com quem ela se casou em 1961 e teve a filha, Júlia.Lílian Lemmertz iniciou sua carreira no teatro amador com Antônio Abujamra, Paulo José e o marido Linneu. No grupo do Teatro Universitário de Porto Alegre fez a primeira peça dirigida por Abujamra: À Margem da Vida (1956), de Tennessee Williams. Mais tarde, foi convidada por Cacilda Becker e Walmor Chagas para estrelar, em São Paulo, o musical Onde Canta o Sabiá (1963), de Gastão Tojeiro, na versão adaptada de Hermilo Borba Filho.Sua estréia no cinema foi em um pequeno papel no filme Corpo Ardente (1965), de Walter Hugo Khouri, mas seu primeiro grande personagem veio com As Amorosas (1968), em que contracenava, pela primeira vez, com a filha, que tinha 4 anos na época. O sucesso de público veio mais tarde, em Lição de Amor (1975), de Eduardo Escorel, que lhe rendeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Gramado em 1976.No mesmo ano, Sylvio Back a chamou para participar do longa Aleluia Gretchen (1976). Em 1968, Lílian participou da novela O Terceiro Pecado, na antiga TV Excelsior. Na Rede Globo, sua primeira novela foi Baila Comigo (1981), de Manoel Carlos, seguida de muitas outras. O amigo e ator Edney Giovenazzi define em poucas palavras a carreira da atriz: "O que ela fez é suficiente para justificar uma vida".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.