Campinas sedia encontro de grupos teatrais

O primeiro encontro da Redemoinho - Rede Brasileira de Espaços de Criação, Compartilhamento e Pesquisa Teatral - ocorreu em dezembro de 2004. Reunidos na sede do Grupo Galpão, em Belo Horizonte, estavam representantes de 52 grupos de 12 Estados, de quatro regiões do País. Era uma Babel de sotaques. Não havia, por exemplo, um sotaque único nordestino. Falava de um jeito o diretor Lindolfo Araújo, do grupo Imbuaça, de Sergipe; de outro a atriz Renata Kaiser, do Clowns de Shakespeare, de Natal, e de um outro ainda Luciano Bezerra, responsável pelo festival de teatro de Guaramiranga, no Ceará. Sem contar gaúchos, cariocas, goianos e tantos outros. Importante nessa variedade sonora, claro, era a igual diversidade de formas de pensar o teatro que carregava.No segundo encontro, em dezembro de 2005, também em Belo Horizonte, já eram 71 os grupos unidos pelo desejo comum de discutir princípios, estéticas e éticas e estreitar vínculos em prol de iniciativas comuns. Iniciativa que se prolongou ao longo do ano, virtualmente, em fórum coletivo através do site http:// www.redemoinho.org . O terceiro encontro deve reunir cem grupos e começa nesta segunda-feira, em Campinas (SP), cidade que abriga a Unicamp e sedes de muitos grupos teatrais, entre eles o Lume e o Barracão Teatro. Com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura de Campinas, o espaço Estação Cultura, que fica na Praça Mal. Floriano Peixoto, s/nº, vai abrigar as atividades deste 3.º Encontro da Redemoinho.Se nos dois primeiros encontros a troca de experiências e a busca de objetivos comuns prevaleceu, neste a idéia é aprofundar o tema central - modos de produção. "Queremos, ao final, redigir um documento sobre políticas públicas para ser entregue ao Ministério da Cultura", afirma Esio Magalhães, fundador do Barracão Teatro.As atividades começam nesta segunda às 8 horas. A ensaísta Iná Camargo, o diretor Marco Antonio Rodrigues, do grupo Folias, e Esio Magalhães integram uma mesa de debates sobre o tema nós e o xoubiz. Na terça, os artistas se dividem em grupos de trabalho para discutir o tema O Que Queremos em Relação ao Poder Público; o Que Queremos com Relação ao Mercado. O conteúdo das discussões deverá ser sintetizado em documento redigido na tarde de quarta-feira, no encerramento do encontro. 3.º Encontro Brasileiro de Espaços de Criação, Compartilhamento e Pesquisa Teatral. Mais informações pelo tel. (19)3289-4275.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.