Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Campanha

Político de terno e gravata em uma sala observando pessoas que estão enfileiradas.

Fábio Porchat, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2014 | 02h06

São todos pobres, malvestidos, sujos e descabelados.

Político (aponta para um deles): Gostei desse pobre aqui (para assessor), Mascarenhas, pede pra ele me entregar uma criança logo na entrada do morro, que vai ter bastante imprensa.

(Fala mais alto para o pobre) Você tem filho, pobre? Hein? Você fala? Tem que falar errado, hein?!

(Para outro na fila) Muito bom esse podre, aqui. Ah, bota ele pra me abraçar no meio da passeata. Vai ser um elemento surpresa...

(Para pobre 2) Você sabe chorar, pobre? Sabe?

(Para assessor) Se é pobre, chora. Adorei ele. Só bota um chinelo havaianas mais surrado e pronto. Muito bom esse pobre, tá com uma cara boa de pobre bem ferrado.

(Para pobre 3) Esse não, gente. Com todos os dentes na boca? (Cheira) Que que é isso? Colônia? Pelo amor de Deus, Mascarenhas, pobre cheiroso é de f...!

(Cheira pobre 4) Quer fazer esse pobre daí valer, roça o suvaco desse outro aqui nele. Puta merda, isso é que é pobre de verdade. Olha o cheiro de azedo do suvaco desse cara. Você sente notas de madeira podre, pneu velho com água parada, tabaco barato.

Agora, tem muito preto aqui. Vamos botar uns mais amulatados pra não doer minha vista.

(Vê pobre 5) Esse não. É pobre e veado, não dá. Na vida você tem que ser uma coisa só.

(Vê pobre 6) Esse aqui é perfeito. Feio, sujo, fedido, ignorante, com cara de imbecil e do povo. Esse eu quero que me acompanhe durante todo o trajeto. Bota um boné do Corinthians nele.

Oh, pobrezada, não é pra tomar banho até o dia, tá!? Nem comer também, tem que ter a cara de pobre sofrido!

Bom, acho que é isso, Mascarenhas. De um modo geral para esse final de semana já temos, mas pra reta final da eleição, valia investir numas mães solteiras com filho pobre com nariz escorrendo e sorriso de pobre no rosto. Dá brinquedo, comida, sei lá.

Uma idosa valia também. Me dá esse álcool gel aí.

Bom, agora vamos ver o que que você tem de crente disponível aí, que mais tarde eu vou num culto. Quero gente com cara de que não transa há anos, hein!?

Mais conteúdo sobre:
Fábio Porchat crônica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.