Campanella: ''em 5 anos, todos filmes serão em 3D''

Campanella: ''em 5 anos, todos filmes serão em 3D''

O argentino Juan José Campanella, que recentemente ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro com O Segredo de Seus Olhos, declarou que em cinco anos "todos os filmes, até os mais comuns", serão filmados em 3D.

, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2010 | 00h00

"Em cinco ou seis anos, fazer um filme que não seja em 3D será um decisão criativa como é hoje rodar em branco e preto", explicou em Nova York, onde faz a divulgação de seu último filme, que estreará em sessenta cidades dos Estados Unidos.

Campanella, conhecido tanto por seus bem-sucedidos filmes argentinos O Filho da Noiva (2001) e Lua de Avellaneda (2004) como por sua experiência na televisão americana, disse que a imensa maioria dos filmes a serem produzidos vai contar com a tecnologia em três dimensões, e que o público estará "muito acostumado a ela".

"Essa tecnologia veio para ficar, e me vejo dirigindo um filme em 3D com atores reais. Meu trabalho é contar histórias e isso não vai mudar, mesmo com todos os avanços", declarou o diretor, que prepara no momento um filme de animação em 3D, chamado Metegol/Futbolín, e pretende filmá-lo na Argentina.

O diretor reconheceu seu interesse em rodar um filme com atores reais em três dimensões, mas com uma história que tenha um peso importante, algo que, na opinião de Campanella, está faltando hoje em Hollywood, onde "eles se perdem pelo caminho da tecnologia, deixando de pensar na história".

"O cinema segue passando por um drama, como passou por toda a vida, desde os gregos até agora, mas Hollywood passa por uma etapa de transição na qual busca-se um rumo e só centra-se na tecnologia", lamentou.

O argentino, que trabalha na televisão americana desde 1992 e já dirigiu capítulos de seriados bem-sucedidos como 30 Rock, Law&Order e House, também fez comparações entre o cinema de Hollywood e as séries do país. "Em geral, salvo exceções dos dois lados, creio que a televisão americana está passando por uma época de ouro e supera o cinema", declarou Campanella, que também disse que não se importaria em dirigir um filme de Hollywood, com um projeto que fosse interessante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.