Imagem Lúcia Guimarães
Colunista
Lúcia Guimarães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Calçadas da infâmia

Dois grupos de moradores de Nova York tentam manter distância das autoridades. Além de compartilhar calçadas, estes nova-iorquinos nada mais têm em comum. O primeiro grupo é dos homeless, moradores de rua, uma população que não para de crescer, apesar da eleição de um prefeito cujo mote de campanha era a alusão ao título de Um Conto de Duas Cidades, de Charles Dickens.

Lúcia Guimarães, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2016 | 02h00

A cada noite, de três a quatro mil pessoas dormem nas ruas de Nova York e 58 mil dormem em abrigos, entre eles 23 mil crianças.

O segundo grupo é dos que compram imóveis em dinheiro vivo, em transações de milhões e dezenas de milhões de dólares, na cidade que é um dos mais aquecidos mercados de residências do mundo. São oligarcas russos, novos bilionários chineses, cleptocratas do Oriente Médio e até socialistas morenos, da variedade que hoje frequenta manchetes latino-americanas.

Na semana passada, soprou um vento gelado sobre Manhattan e, ao contrário das frentes frias que descem do Canadá, o vento veio de Washington. O Departamento do Tesouro decidiu que vai levantar a cortina de segredo que tem protegido os compradores de imóveis de luxo, para impedir que a ilha se transforme numa lavanderia imobiliária como Londres. 

O município de Miami Dade, na Flórida, é o outro mercado que está na mira dos agentes federais, num projeto piloto que vai durar seis meses e pode ser expandido.

Aqui, um crédito para o New York Times. O faro do Tesouro norte-americano foi aguçado por uma série de reportagens focalizada nas empresas laranjas usadas por estrangeiros para estacionar seus megapixulecos numa economia estável. O Tesouro vai colocar todos os nomes de compradores num website ao alcanço do braço da lei. Quem comprou um imóvel por mais de US$ 3 milhões em Nova York ou por mais de US$ 1 milhão em Miami não poderá mais se esconder atrás de laranjas. Já o vento que sopra aqui nas calçadas, encanado pela geometria do traçado das ruas, não é suficiente para convencer os homeless que estão no sereno a aceitar um teto. Mesmo se as temperaturas caem abaixo de zero, quando policiais e assistentes sociais oferecem abrigo a quem estiver na rua, muitos preferem o risco da hipotermia aos dickensianos abrigos municipais.

O governador do Estado de Nova York, Mario Cuomo, decidiu levar seu constante atrito pessoal com o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, para o território da compaixão politicamente expediente. Anunciou planos para retirar à força a população de rua quando o termômetro despenca, conseguindo, assim, atrair atenção para o fato incômodo de que o problema dos homeless se agravou sob o prefeito mais à esquerda do espectro político local nas últimas três décadas.

A mídia nova-iorquina foi entrevistar os homeless e colheu depoimentos que ilustram bem a complexidade do problema longe dos bem aquecidos gabinetes oficiais. Os moradores de rua pintam um quadro de violência, drogas e furtos dos poucos pertences que carregam para os abrigos. Mulheres relatam estupros. E, como parte da população de longo prazo na rua sofre de dependência química, o abrigo, onde não é permitido consumir álcool ou drogas, parece menos acolhedor.

O preço médio de um apartamento para compra em Nova York já bateu US$ 1.15 milhão em 2015. O preço médio do aluguel de um de quarto e sala está em US $ 3.044 e a renda média do domicílio nova-iorquino é de US$ 52.000. 

O prefeito De Blasio está tentando deter a inexorável expulsão da classe média daqui para longe de seus locais de trabalho por meio de incentivos fiscais à manutenção e construção de unidades para famílias com recursos limitados. Mas De Blasio acaba de sofrer uma derrota nas mãos do sindicato de operários da construção civil, que não chega a um acordo sobre salários para trabalhar nestas unidades.

Um veterano ativista em defesa dos homeless, Arnold Cohen, diz que, sem uma política de habitação, tirar pessoas da rua à força é tapar o sol com a peneira. Já a agressividade do governo federal pode levar arredios investidores no obsceno mercado imobiliário de luxo em Nova York a ver o sol nascer quadrado. 

Mais conteúdo sobre:
CrônicaO Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.